Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/09/2004 16:51

De sapateiro a médico e destaque mundial com pesquisa

Saulo Moreno/ABr

Brasília - Terceiro dos dez filhos de um tropeiro da região sul da Chapada Diamantina, na Bahia, o médico Antônio Raimundo Lima Cruz Teixeira traz do berço o exemplo de dedicação em busca de conhecimento. Para resumir sua história até a formação em medicina pela Universidade Federal da Bahia, em 1967, ele diz que “comeu uma fazenda em troca de educação”. A frase é a explicação para a decisão do pai, que havia comprado terras quando a família começou a crescer, e depois vendeu-as para pagar os estudos dos filhos, todos formados, seis deles professores de nível superior, quatro PHDs.

É com orgulho que o cientista Antônio Teixeira revela a origem humilde do interior baiano. No processo de transferência, disse que o primeiro passo dos país foi partir da Serra das Maracas e levar os filhos para Jaguaquara, cidade na região de Jequié, onde estudou em um colégio Adventista, “caro”, lembra. Para o sustento da família, o pai montou uma espécie de fábrica e oficina, onde produzia arreios e sapatos. “Tenho as mão marcadas, cortadas. Fui sapateiro”, revela com orgulho.

À medida em que cresciam, os filhos iam para a capital do estado, Salvador, em busca de ensino superior e trabalho. Com o esforço inicial dos três mais velhos, aos poucos toda família foi transferida e todos se formaram. Entre os irmãos do pesquisador Antônio Teixeira, existem mais um médico, um economista, um físico, um sociólogo, um matemático, um biólogo, um assistente social e um administrador de empresas.

Hoje, cientistas do mundo inteiro passaram a ter um novo entendimento sobre diversas doenças ainda sem cura a partir do resultado de pesquisas realizadas por cientistas da Universidade de Brasília. O grupo do Laboratório Multidisciplinar de Pesquisa em Doença de Chagas, coordenado pelo professor Antônio Teixeira, descobriu que o genoma humano, ou seja o conjunto de informações transmitido dos pais para os filhos e que determina nossas características é modificado a partir da infecção pela picada do barbeiro, o inseto transmissor do mal. O trabalho foi publicado pela revista norte-americana Cell, a mais respeitada publicação científica internacional na área de biomedicina.

Há pelo menos 30 anos, Teixeira trabalha com grupos de cientistas em busca de explicações e até de uma possível cura para essa doença, que mata mais que a Aids no Brasil. Com os recentes resultados, o professor Teixeira já imagina a possibilidade de produção de uma vacina, a ser criada a partir de substâncias descobertas na saliva do barbeiro. O medicamento seria exclusividade brasileira.

“O Brasil precisa investir em conhecimento para ter o que registrar. Como se pode falar em patentes sem ter o que patentear?”, reclama o cientista, do alto do respeito que tem no mundo científico, como autor de diversos trabalhos publicados em publicações estrangeiras. O Journal of Biological Chaemistry, por exemplo, revelou para o mundo que o trabalho do cientista brasileiro abre caminho para o entendimento de doenças como tuberculose, lepra, clamídia, arteriosclerose e outros males auto-imunes de causas desconhecidas, como a própria Aids.

Nas pesquisas que desenvolveu, hoje de destaque internacional, Teixeira descobriu que as glândulas salivares do barbeiro produzem substâncias farmacológicas como vasodilatadores, anti-coagulantes, anti-agregador de plaquetas – que previne a trombose – e antibióticos. Nos últimos 6 anos, o laboratório da UnB chegou a produzir em pequena quantidade várias dessas substâncias, identificadas por meio da tecnologia do DNA recombinante, que produz o gene artificialmente. Agora, o cientista aguarda condições para produção em alta escala, quando então poderá fazer os testes toxicológicos e determinar o potencial biotecnológico de mercado.

Em defesa do desenvolvimento de pesquisas, o professor prega a liberação urgente de recursos para o que considera uma exigência da situação. Segundo ele, “na última década, o financiamento à pesquisa foi feito muitas vezes com base em critérios políticos, sem que se julgasse de fato o mérito da questão. O que nós queremos é que o mérito seja colocado em primeiro lugar para que haja uma busca de recursos baseada naquilo que uma equipe já fez, ou está fazendo, e que por isso merece os recursos necessário para progredir”.

Ao longo do tempo em que esteve envolvido com as pesquisas sobre a Doença de Chagas, o professor Antônio Teixeira considera que o grupo coordenado por ele conseguiu criar uma infra-estrutura na universidade que é tida como de boa qualidade. “Mas, quando se compara isso com as possibilidades de acesso às novas tecnologias, vê-se que fica difícil entrar numa corrida do tipo globalização da ciência. O que nós precisamos na verdade é dos instrumentos para que continuemos a avançar, que hoje nos falta”, afirma. Ele lembra que pelo seu grupo de pesquisas já passaram muitos cientistas capacitados, mas que não puderam continuar os trabalhos por falta de recursos

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)