Cassilândia, Quinta-feira, 27 de Abril de 2017

Últimas Notícias

17/10/2007 14:03

De cada dez leis, sete têm origem no Poder Executivo

Malvista no Congresso e tida por estudiosos como responsável por uma grave distorção no princípio constitucional da harmonia dos poderes, a medida provisória vem sendo usada sistematicamente desde a Constituição de 1988 como instrumento capaz de impor a agenda do Executivo ao Congresso para agilizar a aprovação de matérias de interesse do governo. Se na sua origem pretendia garantir ao presidente da República um instrumento capaz de impedir o engessamento da administração e evitar crises de governabilidade vistas no período anterior ao golpe militar de 64, há muito a MP deixou de ser uma ferramenta auxiliar para se tornar o instrumento por excelência do Executivo.

Sem cerimônia, o governo recorre aos subjetivos critérios de urgência e relevância para justificar o envio da matéria ao Congresso por MP, em vez de um projeto de lei, por exemplo. Se por um lado dá celeridade à discussão das matérias e faz o Congresso trabalhar, por outro, a MP emperra a pauta e prejudica o funcionamento do Parlamento, que acaba ficando a reboque do Executivo. Como as matérias tratadas em MPs entram em vigor imediatamente, o Legislativo acaba ficando com o custo político de derrubá-las.

- Os requisitos de urgência e relevância raramente são observados, banalizou-se o instrumento da medida provisória - afirma o cientista político Paulo Kramer, professor da Universidade de Brasília (UnB).

Segundo um levantamento da consultoria Kramer e Ornelas, sete em cada dez leis ordinárias sancionadas em 2006 tiveram origem no Executivo, majoritariamente por MPs. Das 178 leis, 124 foram de iniciativa do Executivo, 42 do Legislativo, 9 do Judiciário, duas do Ministério Público da União (MPU) e uma do Tribunal de Contas da União (TCU). Somadas as leis complementares e propostas de emenda constitucional (PECs), o total legislado sobe para 186, elevando um pouco a participação do Legislativo, para 50 matérias. Mas ainda assim o Executivo fica responsável por nada menos do que cerca de 67% das propostas. O curioso é que quase metade das proposições de iniciativa parlamentar no período consistiu em homenagens, como a criação do Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla. Em 2006, a Câmara só deliberou em 36% das sessões convocadas porque a pauta estava trancada por MPs ou devido a reflexos da crise política.

Nesta segunda, o presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), reclamou, dizendo que é preciso discutir mudanças na tramitação das MPs:

- Está insuportável (o número de MPs) - afirmou.

Crítico das MPs, Paulo Kramer admite que, num quadro partidário fragmentado como o brasileiro, a governabilidade estaria comprometida se o presidente não pudesse lançar mão desse artifício, inspirado em instrumentos autoritários como os decretos-leis do regime militar. Como o Congresso não cumpre seu papel constitucional, o governo toma a iniciativa de legislar e edita uma enxurrada de MPs, o que acaba travando a pauta e paralisando o Legislativo. Kramer observa, no entanto, que o Congresso brasileiro não é um mero carimbador das matérias enviadas pelo governo e que o abuso de MPs não é sinal de força do governo:

- O Congresso brasileiro não é pró-ativo nem carimbador, é reativo. E com um Congresso reativo, as MPs são indispensáveis, mas o Executivo que as edita em excesso demonstra fraqueza - e não força - afirma.

Na avaliação de Kramer, para abrir mão das MPs, o governo precisaria de uma maioria segura no Congresso, o que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva buscou com a formação de um governo de coalizão. O professor afirma, porém, que é uma tarefa inglória diante de um quadro partidário pulverizado, que torna as votações imprevisíveis e leva o governo a negociar no varejo por meio de barganhas, como a liberação de emendas orçamentárias e preenchimento de cargos no Executivo. Kramer acredita que o fortalecimento dos partidos e a fidelidade partidária são dois bons caminhos para corrigir essa distorção.

Ainda de acordo com o levantamento da consultoria do professor, nos primeiros três anos de governo, Lula editou 4,76 medidas provisórias por mês. No ano passado, o número subiu para 4,91, média bem próxima à de Fernando Henrique Cardoso. Em seu último ano de governo, a caneta de FH elevou a média para 6,8 MPs por mês. Segundo Kramer, os números não deixam dúvida da prevalência do Executivo sobre o Legislativo.

- No dia em que acabarem com a medida provisória, terão que inventar a provisória medida - ironiza o cientista político.



OAB/MS

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Abril de 2017
Terça, 25 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)