Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/03/2015 08:00

Crise foi feita por Dilma, mas é problema de todos, diz Cristovam

Agência Senado

Em discurso nesta sexta-feira (13), o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) fez uma análise sobre a crise enfrentada pelos brasileiros e o ajuste fiscal proposto pelo Executivo. Para ele, os problemas são sérios, e o momento deve servir para reorientar o futuro e tirar o Brasil do “transe”. Mas, para alcançar esse objetivo, governo, oposição e sociedade devem se unir.

— A culpa do momento financeiro que vivemos é do governo, da presidente Dilma. Ela adotou uma política fiscal que não foi responsável. A culpa é dos últimos quatro anos, mas o problema é de todos nós. O problema é do Brasil, e temos que ter essa perspectiva — afirmou.

Apesar de defender o ajuste, única maneira de recuperar a credibilidade da economia, o senador reclamou da maneira como foi feito até agora, de forma linear, cortando recursos de áreas essenciais como educação, saúde, proteção social, mas sem retirar privilégios das classes abastadas. Cristovam defendeu a adoção de um ajuste feito após conversa e negociação, pensando estrategicamente para não trazer ineficiências no futuro, tendo assim, legitimidade frente à sociedade, que o apoiará.

O senador disse ainda que a presidente Dilma precisa fazer um reconhecimento dos erros cometidos no primeiro mandato, assumir que a crise não é uma marolinha e que mudanças sérias precisam ser feitas.

— Ela precisa chamar a oposição para conversar, e se eles não forem, que aceitem o ônus de não ter ido, porque o problema não é mais da Dilma, do PT. Eles criaram isso, mas o problema é de todo o Brasil. E nessa construção, pelo diálogo, decidir em quanto tempo vamos equilibrar tudo. O choque vai trazer problemas sérios, mas não fazer o ajuste vai manter o país em transe — afirmou.

A quebra fiscal atual é tanta, completou, que o governo fez um corte de R$ 7 bilhões na educação. No orçamento doméstico, as famílias só retiram dinheiro da educação quando não há mais de onde cortar, comparou.

— Estamos numa situação de não fazer os gastos necessários para manter o país funcionando, para retomar o crescimento. Estamos sendo obrigados a fazer o que faz qualquer cidadão quando está em situação pré-falimentar, ir à busca do usureiro, daquele que empresta a um juro alto. É o que se está fazendo. A diferença é que no país, aumentamos os juros — avaliou.

Na opinião de Cristovam, o Brasil está numa situação que beira ao colapso, praticamente quebrado, e os políticos não estão à altura para liderar uma mudança — e ele incluiu a si próprio nas críticas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)