Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/05/2005 13:13

Crise a vista na pecuária de corte de MS

Dourados News

A pecuária brasileira, desde 2003, é líder mundial no mercado de carne bovina, respondendo por 19% do total comercializado no mundo. Dados da Food and Agriculture Organization – FAO, indicam que o País deve consolidar-se como o maior exportador mundial de carne bovina, passando a responder por 21% do volume total comercializado no mundo. Contudo, tais resultados não têm favorecido o pecuarista, que tem sentido mês a mês redução dos seus lucros, com o risco, a continuar neste ritmo, de inviabilizar a atividade.

Os fatores que tem levado a atividade a resultados negativos podem estender desde os sistemas de produção até às limitações do comércio internacional, com o dólar sendo desvalorizado continuamente frente à moeda nacional, encarecendo externamente o nosso produto, tornando-nos menos competitivos frente a outros países exportadores de carne.

O Estado de Mato Grosso do Sul é responsável por cerca de 21% do rebanho de corte do País, sendo o maior produtor de carne cuja produção atende tanto o mercado interno quanto o mercado externo. Mas os preços pagos aos pecuaristas pela arroba do boi atualmente são os mais baixos registrados desde a implantação do Plano Real, trazendo uma redução drástica no lucro dos pecuaristas, conforme mostra estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA.

A competitividade cresceu com investimentos em melhoramentos genéticos, melhoria de pastagens, enquanto a arroba do boi teve variação negativa no preço, em torno de 8,25% neste ano de 2005. Na Segunda-Feira (23/05), o preço pago em Mato Grosso do Sul pela arroba do boi variava de R$ 46,00 a R$ 48,00 enquanto que a arroba da vaca estava em torno de R$40,00, os valores mais baixos desde 1996, segundo a CNA.

Como os criadores fizeram muito investimento para acelerar a engorda de seus rebanhos, para abate-los mais cedo, o Estado de Mato Grosso do Sul desenvolveu projetos incentivando a pecuária de corte, como, por exemplo, o novilho precoce e, com o advento de tecnologias avançadas, criou-se ótimos caminhos para a expansão do gado de corte no Estado.

A inspeção da qualidade da carne bovina implantada em muitas fazendas é complementada pelo rastreamento, permitindo conhecer toda trajetória da vida do animal, desde o seu nascimento até o abate, com todas as etapas, passando por fiscalização, dando mais confiabilidade ao produto. Todo esse processo envolve gastos despendidos pelos produtores para equipar suas fazendas, seguindo normas sanitárias rigorosas e contratação de pessoal especializado para o trabalho, daí a preocupação dos pecuaristas com a queda no preço da carne bovina, pois o atual cenário compromete a expansão do rebanho, portanto a competitividade do Brasil lá fora, colocando em risco o primeiro lugar no ranking de exportação de carne bovina.

Segundo o CNA, neste ano de 2005, até abril, as exportações brasileiras de carne bovina cresceram 25% na comparação com igual período de 2004, alcançando U$ 862,3 milhões, com embarque de 693,4 mil toneladas do produto. Só no mês de abril/2005 as vendas de carne bovina in natura e industrializada renderam ao País U$ 249,2 milhões, 32% mais do que no mesmo mês em 2004.

A exuberância dos números no setor da carne bovina é creditada à eficiência do setor produtivo, embora a evolução dos indicadores de custos preocupe o setor. Os custos totais no Estado de Mato Grosso do Sul aumentaram 8,3% nos últimos oito meses, enquanto os preços se elevaram apenas 1,32%, e a inflação no período, medida pelo IPC/CG, foi de 3,16%.

Apesar da pecuária de corte ainda manter fôlego, em médio prazo a perda de renda junto ao produtor pode comprometer a oferta de carne, porque o pecuarista é obrigado a reduzir investimentos e abater matrizes, o que reduz a oferta de bezerros. De acordo com o presidente da CNA, Antenor Nogueira, em 2004 chegou-se a abater 35% de matrizes, enquanto o máximo aceitável é de 25%.

Segundo o Coordenador do Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC / CG), Celso Correia de Souza, o preço da carne bovina no varejo alimentar de Campo Grande tem apresentado queda de preços, em torno de 6,7%, comparado com o mês de dezembro de 2004, não refletindo, ainda, toda queda de preços imposta aos criadores do Estado. A tendência é que o consumidor passe a pagar, nos próximos meses, um valor ainda mais baixo em suas compras da carne bovina, pois, com o início da entressafra que se aproxima, haverá redução das pastagens, com conseqüente aumento da oferta de gado de corte para abate, fazendo cair o preço da arroba pelo excesso de oferta de animais.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)