Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/03/2010 11:47

Criança espancada agonizou por pelo menos 24 horas

Campo Grande News/ Fernanda Mathias

A menina Rafaela, de apenas três anos, que morreu no dia 28 de fevereiro agonizou por pelo menos 24 horas, conforme indica o laudo necroscópico que chegou ontem às mãos da delegada responsável pelo caso, Regina Mota, da DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente).

O tempo de sofrimento da menina, porém, pode ter se estendido por até 36 horas, sem que a mãe ou o padrasto prestassem socorro. “Eles ignoraram completamente o sofrimento dela”, diz a delegada.

Conforme o laudo, a lesão cerebral que provocou a morte da criança foi causada em um intervalo de 24 a 36 horas antes da morte. Além da lesão no cérebro, foram encontrados hematomas em várias partes do corpo como antebraço, mãos, abdômen e coxa, confirmando a suspeita de espancamento.

Segundo a delegada, tanto a mãe da menina Renata Dutra de Oliveira, de 22 anos quanto o padrasto Handerson Cândido Ferreira, de 25 anos, são considerados responsáveis. Ambos foram presos em flagrante e indiciados por maus tratos seguido de morte e devem responder por homicídio doloso.

Regina afirma que não há como isentar um dos dois das agressões, porque vizinhos e outras testemunhas relataram que ambos se excediam nos corretivos aplicados à criança. Os vizinhos já haviam, inclusive, acionado o Conselho Tutelar, no dia 10 de fevereiro.

Sofrimento – As faixas com fezes e vômito encontradas pela Polícia Civil na casa em que vivia com a mãe o padrasto, no bairro Amambaí, são marcas do sofrimento da criança.

Conforme o laudo necroscópico, a lesão causada no cérebro da criança foi progredindo lentamente provocando liberação do esfíncter, vômitos em jato e aumento da pressão arterial. Apesar do estado crítico da menina, a mãe e o padrasto não procuraram ajuda médica.

“Não fizeram o menor esforço para salvar a vida dessa criança”, avalia a delegada. No domingo, o padrasto levou a menina para a Santa Casa, dizendo que ela havia caído na banheira, mas ela já chegou sem vida ao hospital.

Em depoimento Handerson afirmou que é usuário de drogas e vizinhos também disseram que Renata também é dependente química, fator que não serve de atenuante, avisa a delegada. Somente Handerson já tinha passagem pela polícia, por violência doméstica, crime cometido na cidade de Coxim, a 260 quilômetros da Capital.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)