Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/09/2004 09:35

Crescimento demográfico preocupa parlamentares

Agência Câmara

confirmado em recente pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem despertado a preocupação de parlamentares. Embora considerem que a Constituição avançou ao reconhecer o planejamento familiar como um direito da população, deputados de diferentes partidos querem reforçar os programas de controle da natalidade existentes no País.
Autor de uma das propostas de emenda à Constituição (PEC 241/04) que tratam do assunto, o deputado Valdemar Costa Neto (PL-SP) cita o relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), de 2002, que considera o controle da natalidade um instrumento fundamental para combater a pobreza nos países desenvolvidos. O deputado lembra que a ONU destaca o Brasil como exemplo de crescimento desordenado da população pobre e miserável. "Ao analisar o País, a ONU constatou que nas classes médias e ricas a taxa da natalidade tem diminuído, mas apresenta um crescimento significativo entre os mais carentes", observa.
Valdemar Costa Neto sugere, na PEC, modificações no artigo 226 da Constituição, no capítulo da Ordem Social. A proposta retira desse artigo a proibição de as instituições oficiais e privadas atuarem de forma coercitiva na implementação de políticas de controle da natalidade.

Vasectomia e Laqueadura
Também sugere alterações no mesmo artigo a PEC 584/02, do deputado Jair Bolsonaro (PPB-RJ), que inclui entre as ações de planejamento familiar, propiciado pelo Estado, a realização de vasectomia e de laqueadura de trompas para maiores de 21 anos. Bolsonaro ressalta que no Brasil, a cada ano, nascem cerca de dois milhões de crianças oriundas de famílias carentes. "Essas crianças não têm qualquer possibilidade de uma vida digna", afirma o parlamentar.
Na mesma linha tramita a PEC 214/00, do deputado Aldir Cabral (PFL-RJ), que obriga os hospitais públicos ou conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) a realizar vasectomia ou laqueadura em casais que tenham dois ou mais filhos. Existem ainda outras propostas no mesmo sentido, sendo que duas delas sugerem alterações na Lei 9263/96, que regulamenta o inciso 7 do artigo 226 da Constituição.

Campanhas de esclarecimento
Há ainda o Projeto de Lei 1697/03, do deputado Geraldo Resende (PPS-MG), que obriga o SUS a prestar atendimento médico-hospitalar a pacientes que desejem realizar qualquer procedimento previsto no planejamento familiar, incluindo métodos e técnicas de concepção e contracepção; e o PL 543/03, do deputado João Mendes de Jesus (PDT-RJ), que obriga a realização, pelas instituições públicas e privadas, de campanhas de esclarecimento sobre planejamento familiar.
O Projeto de Lei 2059/03, da deputada Maninha (PT-DF), também caminha na mesma direção ao garantir o direito da população à realização de laqueadura tubária e vasectomia voluntárias pelo SUS, como um dos componentes do planejamento familiar.
Para Maninha, as ações e métodos do planejamento familiar devem estar acessíveis a toda população. "O Estado tem que garantir acesso igualitário a informações, meios, métodos e técnicas disponíveis para a regulação da fecundidade; mas também prover o SUS de recursos humanos com competência técnica, científica e ética, que possa promover o atendimento à saúde reprodutiva", afirma a deputada.
A pesquisa do IBGE registrou no Brasil, em 2004, 182 milhões de habitantes, quase o dobro dos 93 milhões existentes em 1970. A mesma pesquisa projeta para 2050 uma população de 259,8 milhões de habitantes.



Reportagem - Mauren Rojahn
Edição - Luiz Claudio Pinheiro

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)