Cassilândia, Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

Últimas Notícias

13/12/2005 20:07

CPI: Empresário admite que contratos passavam pela Secom

Agência Câmara

Em depoimento na sub-relatoria de Contratos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios, o publicitário Maurício Pinho de Santana confirmou que todos os contratos e subcontratos de fornecedores da estatal passavam pelo crivo da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, e que esta tinha poder de veto sobre essas ações. O depoente foi sócio, até janeiro deste ano, da empresa de publicidade Link/Bagg, que prestava serviços à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A CPMI investiga possível favorecimento da empresa por meio do aditamento dos valores dos contratos.

Divisão entre empresas
Santana informou à CPMI que o contrato da Link/Bagg com os Correios foi assinado no final de 2003 e está em vigência até hoje. O valor inicial, de R$ 72 milhões, foi dividido entre sua empresa, a SMPB (de Marcos Valério Fernandes de Souza), e a Giovanni Propaganda.
O empresário negou que sua agência tivesse relações com a SMPB e garantiu que a Link/Bagg nunca subcontratou nem foi subcontratada pela SMPB ou pela DNA. Ele acrescentou que conhece Marcos Valério de nome e de vista, mas não tem contato com ele nem com seu sócio Cristiano Paz.
Santana disse conhecer a empresa Multi-action, de Valério, porque ela fez eventos para os Correios. De acordo com o depoente, essa empresa foi contratada porque tem uma carteira de clientes que respalda sua credibilidade e, na época, não havia denúncias sobre ela.
Além dos Correios, o ex-sócio disse que a Link/Bagg assinou contrato com o Ministério da Agricultura em 2002 - em vigor até hoje -, no valor inicial de R$ 10 milhões. Com o Ministério dos Transportes, foi feito contrato de 1999 até 2004, no valor de R$ 38 milhões pelos cinco anos.

TCU investiga
Maurício Santana apresentou à CPMI cópia da defesa que a Link/Bagg deve encaminhar amanhã ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre possíveis irregularidades nos contratos da agência com órgãos públicos.
A empresa está sendo acusada de não repassar a bonificação de volume para os clientes, de receber comissão sem a devida prestação de serviços, de burlar a Lei de Licitações (8666/93) com subcontratações e de ser contratada para fazer o projeto arquitetônico e de decoração do Museu Nacional dos Correios em 2004.
Santana defendeu a subcontratação dizendo que cabe à agência oferecer apenas a concepção da campanha. "A agência vende a idéia, tudo o mais é feito por subcontratação de terceiros", disse.
O deputado Cardozo enfatiza que por meio dessa subcontratação é que ocorre a burla da Lei de Licitações, "porque os contratos publicitários são guarda-chuvas para vários fornecedores que são contratados por órgãos públicos".
O empresário sugeriu que sejam retirados dos "contratos guarda-chuvas" com as agências de publicidade a assessoria de imprensa, o marketing promocional e o desenvolvimento de páginas na internet.
Santana também respondeu aos parlamentares sobre a bonificação de volume, que deveria ser repassada ao anunciante, no caso a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Maurício Pinho admitiu que as agências devem repassar aos clientes todos os descontos que conseguem dos veículos de divulgação, mas não soube dizer se a bonificação estaria incluída nessa regra.
Em relação ao contrato assinado entre a ECT e a Link/Bagg em 2004 para a execução de projeto arquitetônico e de decoração do Museu Nacional dos Correios, o depoente disse não se lembrar desse contrato específico.


Reportagem - Newton Araújo Jr.
Edição - Rejane Oliveira

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 27 de Julho de 2017
Quarta, 26 de Julho de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 25 de Julho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)