Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/06/2007 08:49

Corte de programas sociais ainda prejudica famílias

Sandra Luz - Campo Grande News

“Sabe: Deus olha por nós. Ele cuida até dos passarinhos e porque não cuidaria da gente?”. É à insistente crença que a costureira Maria Conceição Pereira Silva Nascimento, 50 anos, atribui o fato de continuar agüentando a vida de privações. Com um rosário de problemas de saúde, Maria afirma que não espera mais pelo pagamento de um benefício que há seis meses garantia em casa o que considera um luxo, leite. “Ah, antes até tinha na minha geladeira, hoje vazia né”.

Da máquina de costura Maria tira o sustento para cuidar do marido que tem problemas mentais, dos filhos desempregados e netos ainda crianças. Ela conta que já foi orientada por médicos a deixar a profissão por conta das complicações na coluna, mas pensa que cairia na rotina das outras três Marias vizinhas, que precisam recorrer a um lixão para sobreviver. “Ah, os R$ 130 que eu recebia dava para ajudar os meninos, que estão parados, agora dizem que até o lixão vão fechar”, teme a doméstica Maria Deusa leite Vieira, 46 anos. Ela serefere ao lixão do bairro Nova Lima.

Com um salário mínimo (R$ 380) ela sustenta os cinco filhos, todos menores de 18 anos, e nos fins de semana faz bicos de faxina para complementar o orçamento. Sem voz devido à uma gripe que já dura um mês, Maria Deusa queria ver os filhos longe do lixão, trabalhando, ou fazendo cursos. “Eu até entendo que não de mais o dinheiro da bolsa, mas queria que desse oportunidade para os meninos trabalharem, não no buracão”. Enquanto a mãe fica em uma casa de família, os garotos lavam, passam e deixam a casa impecável, para evitar que a jornada dupla dela seja ainda mais exaustiva. Os mais velhos separam material reciclável para complementar o orçamento.

A outra Maria, essa Cleonice Marques Silva, 47 anos, não pode mais contar com o auxílio dos filhos, todos crescidos. Cardíaca, ela se revla mais preocupada com o marido, Joaquim Silva, 55 anos, que sofreu um derrame e está encostado em uma rede. Ele toma remédios, mas a força para o trabalho já foi e os programas sociais contribuíam muito para a alimentação do casal.

Cleonice, por exemplo, ainda não sabe de qual doença sofre e não tem idéia de como recuperar o peso, estacionado em 33 quilos. “Até acho importante receber o programa, mas meu caçula fez 18, e não tenho mais direito”, resume, sem deixar de lembrar de outros que, segundo ela, precisam mais.

O pequeno Pedro, 4 anos, é quem mais precisa, na avaliação de Cleonice. Morando em uma casa com outras seis pessoas, o menino pouco entende que a geladeira vazia, assim como a despensa, dificilmente serão abastecidas porque o avô Aparecido Pereira, 55 anos, só tem o lixão do fundo de casa como renda. Pereira criou os filhos e agora cuida dos netos, que gostaria de ajudar mais. “Ah, a gente cata isso ai, vive assim agora. Antes dava para mais coisas. Agora é assim só”.

As famílias que vivem atrás do lixão do Nova Lima em Campo Grande são uma parcela das 80 mil que recebiam o Bolsa Escola, de R$ 136, e o Segurança Alimentar (R$ 100). O repasse foi interrompido por determinação do governador André Puccinelli (PMDB) no início do ano para recadastramento. A assessoria de imprensa do governo do Estado informou que o cadastro não foi terminado e falta o cruzamento de informações com o Banco do Brasil. Puccinelli já anunciou que os repasses serão retomados somente em janeiro de 2008. Ele cobra ajuda do governo federal para as ações sociais.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)