Cassilândia, Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020

Últimas Notícias

10/12/2019 07:38

Contra esquema de propinas da JBS, PF faz operação em 3 cidades de MS

Anahi Zurutuza, Campo Grande News

 

Contra esquema de propinas pagas por grande rede frigorífica, a PF (Polícia Federal) desencadeou nesta terça-feira (10) a segunda fase da Operação Porteira Aberta em três cidades de Mato Grosso do Sul e também no Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Paraná e Santa Catarina. Os alvos são fiscais agropecuários federais e médicos veterinários conveniados ao SIF (Serviço de Inspeção Federal).

A imprensa do Mato Grosso apurou que a origem dos pagamentos ilegais é a JBS, empresa com plantas frigoríficas espalhadas por todo o Mato Grosso do Sul. Conforme a investigação, as propinas saiam das unidades da JBS em Campo Grande, Cassilândia e Ponta Porã.

Segundo a PF, investigações foram iniciadas com base em documentos apreendidos na primeira fase da operação, deflagrada em julho de 2018, quase um ano e meio depois da Operação Carne Fraca – que expôs esquema de adulteração de carnes. As apurações apontaram que os servidores recebiam para emitirem certificados sanitários sem terem de fato fiscalizado os abates em unidades da empresa.

A Polícia Federal identificou depósitos que variavam de R$ 5 mil a R$ 25 mil mensais, que perduraram até o início de 2017, cessando com a deflagração da Carne Fraca.

Os valores destinados ao pagamento de propinas eram registrados na contabilidade como despesas de consultoria e marketing ou serviço de inspeção federal. A segunda fase é resultado da análise dos dados bancários dos investigados, além da celebração de 11 acordos de colaboração premiadas entre o MPF (Ministério Público Federal)e Polícia Federal com os responsáveis pela operacionalização dos pagamentos.

Os colaboradores afirmaram que houve o pagamento de ao menos R$ 6 milhões aos agentes públicos envolvidos.

A Operação Porteira Aberta tem ordens para cumprir 15 medidas cautelares diversas da prisão, dentre elas, o afastamento de fiscais. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Barra do Garças (MT), que também determinou o sequestro de bens e valores pertencentes a quatro servidores totalizando R$ 5.080.200,00.

Os investigados irão responder por corrupção ativa e passiva, além de organização criminosa, podendo pegar até 20 anos de prisão.

A operação foi denominada Porteira Aberta por causa da ausência de controle dos animais, a falta de inspeção dos fiscais sanitários permitia que o gado fosse abatido sem qualquer regramento.

 

Por Campo Grande News

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 28 de Janeiro de 2020
15:42
Maternidade
Segunda, 27 de Janeiro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)