Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/05/2005 07:31

Conselho de Ética diz que André Luiz teve ampla defesa

Agência Câmara

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara divulgou nota à Imprensa na qual afirma que o deputado André Luiz (sem partido-RJ), ao contrário do que tem afirmado, teve direito a ampla defesa. Segundo a nota, os fatos demonstram que todo o trâmite do processo contra o deputado foi democrático, isento, imparcial e fundado no contraditório e na ampla defesa.
O Conselho recomendou a cassação do deputado depois de investigar a denúncia de que ele tentou extorquir R$ 4 milhões do empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para retirar o nome dele do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Loterj, da Assembléia Legislativa do Rio. O pedido de cassação está na pauta do Plenário.
Na nota, o Conselho descreve o andamento do processo, para demonstrar que André Luiz teve chance de se defender.

Confira a íntegra da nota

Tem sido propalado pelo deputado André Luiz que o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, no Processo Disciplinar movido contra ele, não teria respeitado o contraditório e a ampla defesa.
Entretanto, os fatos e as circuntâncias do processo, os quais tomo a liberdade de mencionar, demonstram o contrário: de que todo o trâmite do processo foi democrático, isento, imparcial e fundado no contraditório e na ampla defesa.
Acusado pela quebra do decoro parlamentar ante a prática de atos incompatíveis denunciados pela Revista Veja, de 27 de outubro de 2004 "Vende-se uma CPI". A publicação trazia à tona fatos graves, que consistiam na exigência feita pelo deputado André Luiz para que a CPI em funcionamento na Assembléia Legislativa do estado do Rio de Janeiro não adotasse, em seu relatório final, determinadas providências, principalmente o indiciamento do empresário Carlos Augusto Ramos, também conhecido como "Carlinhos Cachoeira".

Do Procedimento Adotado pelo Conselho de Ética em Respeito ao Contraditório e Ampla Defesa:

O deputado André Luiz, ainda na fase da sindicância, foi notificado pessoalmente para manifestar-se acerca dos fatos investigados. A Comissão de Sindicância, atendendo solicitação do deputado, dobrou o prazo para a sua manifestação, mesmo assim, o Acusado não se manifestou.
Após instaurado Processo Disciplinar nº 01, de 2004, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, após sucessivas esquivas do deputado-processado, foi finalmente notificado a defender-se da representação que a Mesa ofertou. Na ocasião, cópia integral de todo o processo e do CD que contém a gravação, lhe foi entregue.
No prazo estabelecido, o deputado André Luiz apresentou sua defesa, ofereceu rol de cinco testemunhas, nomeou assistente técnico e requereu providências outras. Segundo estabelece o Regulamento do Conselho e o Código de Ética, a fase da defesa inicial é a única oportunidade de arrolar testemunhas.
A assistente técnica do Deputado André Luiz, em razão do período de recesso parlamentar, usufruiu de quase dois meses para ofertar quesito ao laudo ou manifestar contrariamente à perícia do Conselho. Após esse período, apresentou sete quesitos, que foram respondidos negativamente pelo perito do Conselho, Dr. Ricardo Molina. Na sessão de oitiva do perito, realizada em 22.02.2005, apesar de intimado, o Deputado acusado não trouxe sua assistente técnica, tendo sido o perito perquirido por seus advogados.
Todas as cinco testemunhas arroladas pelo Acusado foram ouvidas em sessões públicas onde o Acusado, por seus advogados intimados previamente, perquiriram as testemunhas.
O deputado André Luiz foi ouvido em dia que lhe aproveu 16.02.2005 (ante a dificuldade hercúlea de intimá-lo e de, mesmo intimado, fazê-lo comparecer pessoalmente às sesões iniciais), formulando pessoal defesa.
O deputado Acusado, por seus advogados, foi intimado previamente e esteve presente em todas as sessões , com direito à voz e manifestação, sendo lhes facultado perquirir todas as testemunhas de acusação , bem como o perito nomeado e o depoente convidado.
Por seus advogados, o deputado acusado foi intimado de todos os atos e fatos do processo, com irrestrito acesso à Secretaria do Conselho de Ética.
Foi facultado manifestar-se na sindicância, ocasião em que quedou-se silente, defendeu-se pessoalmente na sessão de 16.02.05, apresentou defesa escrita técnica no prazo estabelecido e ofertou defesa final na sessão do Conselho que apreciou e votou o Relatório e Parecer do Relator Deputado Gustavo Fruet.

Das Acareações e Oitiva de Novas Testemunhas:

O acusado, ao final da instrução processual, requereu a oitiva de novas testemunhas e a acareação de todas elas entre si e entre o Deputado Acusado.
Entretanto, o deputado André Luiz na defesa inicial arrolou as cinco testemunhas, máximo previsto pelo Código de Ética. Assim o indeferimento de oitiva de novas testemunhas fundou-se na preclusão e na desconformidade do mesmo ao Código de Ética e Regulamento do Conselho. Do contrário, estabeleceríamos um infindável procedimento probatório, em prejuízo ao devido processo e aos princípios processuais atinentes.
É nesse sentido e com essa razão principal que foram indeferidos os pedidos de acareação das testemunhas ouvidas.

Conclusões:

Este Conselho de Ética, ao longo de todo o processo preocupou-se com a garantia do direito da ampla defesa e do contraditório, o que se pode verificar, entre outros, pela concessão da palavra ao deputado acusado, ou aos seus procuradores, para inquirir testemunhas ou para formular requerimentos diversos, as reiteradas solicitações de cópias do autos e ao pleno acesso ao processo e às reuniões e sessões do Conselho e pelas inúmeras oportunidades de defesa dada ao deputado.
Daí que, fundada na isenção e imparcialidade como conduziu o processo disciplinar, confia o Conselho de Ética que o processo de cassação, em cumprimento ao disposto no art. 55, § 2º da Constituição Federal, tenha bom e escorreito termo.

Brasília, abril de 2005


Deputado RICARDO IZAR
Presidente

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)