Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

02/12/2009 06:37

Conheça as companhias que cortaram a receita para lucrar

April Joiner, da INC Magazine

Nem todos os empresários têm a coragem de jogar pela janela quase um terço da receita da sua empresa. Mas foi o que fez Noha Waibsnaider, CEO da Peeled Snacks, que, recentemente, abandonou diversas redes de supermercados. Em tempos bicudos, o corte de clientes parece ser algo impensável. No entanto, como Waibsnaider descobriu, com alguns clientes não vale a pena manter o relacionamento.

Quando ela fundou sua companhia no Brooklyn (Nova Iorque), em 2005, elegeu as lojas de conveniência, e não os supermercados, como os principais revendedores de seus lanchinhos de frutas secas e nozes. Mas a demanda dos supermercados cresceu em ritmo constante e ela acabou resolvendo usar também esse canal de distribuição. "Já estávamos um pouco cansados de dizer não", ela conta. A Peeled Snacks começou a vender seus produtos em lojas da Whole Foods, na parte norte da costa leste americana, a partir do outono de 2007, iniciando então sua expansão em cadeias regionais, como a Lunds&Byerly's, no Minnesota, e a Gelson's, na Califórnia. Houve um salto nos negócios - em 2008, as vendas por esse canal representaram cerca de 30% da receita de US$ 550 mil da empresa.

No entanto, os novos clientes acabaram virando uma dor de cabeça. Os supermercados cobram taxas para disponibilizar produtos nas prateleiras e têm a expectativa de descontos periódicos e compromissos para eventos de degustação nas lojas. Essas despesas reduziram os lucros da Peeled Snacks a poucos centavos de cada saquinho de US$ 2,49, enquanto, nas lojas de conveniência, as margens chegavam a quase 50% do preço de venda. Além disso, Noha passou a ter dificuldades de estoque. Houve ocasiões em que seus empregados visitavam lojas e descobriam que seus produtos sequer estavam nas prateleiras, resultado de má comunicação entre os compradores e os distribuidores. "Passava-se muito tempo no telefone", ela lembra.

Esses episódios, combinados com a erosão dos lucros, convenceram-na a largar esse canal de venda assim que os contratos se encerrassem. Manteve negócios com uma pequena parte da cadeia Whole Foods, onde as vendas eram mais altas, para manter a visibilidade da marca. "Com a economia mal, não é hora de investir em canais caros", explica. "Então, saímos da maioria deles."

Desvio de energia

Empresários põem clientes na rua por muitos motivos. Janine Popick, fundadora e presidente da VerticalResponse, uma firma de São Francisco que oferece serviços de marketing eletrônico, resolveu que precisava focar em sua base principal de clientes. Em seus primórdios, Janine raramente dizia não para alguém interessado em fechar negócio. Porém, depois de desviar quase toda a energia de sua empresa para uma sofisticada ferramenta de classificação de e-mails, construída exclusivamente para uma única grande empresa, decidiu que era melhor largá-la. "Não foi fácil, pois era um de nossos cinco maiores clientes", ela conta. "Mas eu os procurei e disse: Gente, não podemos ficar tocando esse negócio e ignorando os nossos outros parceiros".

Hoje, a VerticalResponse somente passa a cogitar o desenvolvimento de uma nova funcionalidade quando pelo menos 20% de seus clientes fazem essa solicitação nas suas pesquisas de satisfação. Janine nega com firmeza quando clientes grandes exigem serviços que os outros provavelmente não utilizarão. Ela até mesmo indica alguns deles para fornecedores que atendem a grandes corporações, auxiliando-os na transição. Embora seja uma decisão difícil, afirma que essa ajuda acaba sendo benéfica para sua empresa. "É bem provável que eles nos indiquem quando lhes pedirem referências", conclui.

Serviços 24 horas

Ainda assim, o esforço adicional pode valer a pena para alguns clientes. Dan Ahuero é CEO da GHX Industrial, sediada em Houston, onde fabrica mangueiras e juntas de vedação para empresas de energia, e classifica suas contas com base no lucro bruto de cada uma. Os clientes mais lucrativos têm benefícios, tais como entrega gratuita e serviços 24 horas. Clientes menos lucrativos, por outro lado, podem até pagar mais. O dono afirma que esse sistema permitiu à GHX dar ênfase aos principais compradores e aumentar as vendas. Ano passado, sua receita chegou a US$ 86 milhões ante US$ 50 milhões em 2007.

Essa proximidade também ajuda Ahuero a consertar os relacionamentos antes que estraguem. Se o serviço necessário para uma determinada conta fica caro demais, a empresa inicialmente revisa seu trabalho para eliminar ineficiências. Por exemplo, o cliente pode ter feito pedidos separados capazes de serem atendidos de uma vez só. Ou uma série de reparos noturnos poderia ter sido feita mais cedo. No entanto, quando um comprador reduz os pedidos significativamente, a busca da lucratividade pode exigir um aumento de preços ou o corte de alguns serviços. "Quando se tem um bom relacionamento, na maioria das vezes o cliente coopera com você", diz Ahuero.
Questão de valores

Outras situações, no entanto, exigem uma postura mais rígida, explica. Quando se permite que um cliente que costuma atrasar pagamentos siga contratando muitos serviços, por exemplo, os recursos da empresa escasseiam. Atualmente, a GHX apenas mantém contas para seus clientes mais lucrativos e cobra dos demais por cartão de crédito. Na VerticalResponse, Janine adotou postura semelhante, exigindo que todos paguem com cartão. "Não temos recursos para correr atrás de faturas de US$ 100", ela diz. "Então, largamos os consumidores que não pagavam e mudamos o processo."

Nem todas as rupturas acontecem por dinheiro. Janine recusa-se a manter clientes que destratam seus representantes. Embora contate clientes insatisfeitos pessoalmente para entender o problema, afirma que não retém parceiros que faltaram ao respeito com seus empregados. "É uma questão de valores", diz. "Ninguém é obrigado a ouvir desaforos."

A decisão de voltar às origens deu à Noha a possibilidade de escolher quais eram os melhores canais para vender seus lanches. Ela deu nova ênfase à conquista de clientes em locais de consumo rápido, como lojas de presentes, academias e cinemas, um esforço que financiou com o caixa que antes gastava com as promoções em supermercados. Ela conta que a projeção é de dobrar as vendas neste ano, chegando a US$ 1 milhão. "Voltamos à nossa estratégia original", diz.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)