Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/01/2004 13:22

Congresso votará redução de férias dos parlamentares

Raquel Ribeiro e Iolando Lourenço/ABr

Quase no apagar das luzes do ano legislativo, um grupo de deputados reacendeu um debate que parecia esquecido no Congresso Nacional: a redução das férias dos deputados e senadores. Pelas regras atuais previstas na Constituição, o ano legislativo vai de 15 de fevereiro a 15 de dezembro. Além das férias de dois meses entre 16 de dezembro e 14 de fevereiro, a Constituição prevê o recesso parlamentar de 1º a 31 de julho, o que significa dizer que os parlamentares trabalham nove meses no ano, enquanto o cidadão comum só conta com 30 dias de férias.

A partir de 2004 a situação pode ser alterada. O plenário da Câmara terá que votar o parecer do deputado Isaías Silvestre (PSB/MG), que reduz de 90 para 45 dias o recesso parlamentar. A proposta foi aprovada por maioria absoluta no início deste mês numa comissão especial criada para analisar as propostas que tratam do funcionamento legislativo.

A alteração constitucional enfrenta muitas resistências dentro do Congresso Nacional e pode ficar esquecida na pauta da Câmara porque os deputados podem não querer “cortar a própria carne” reduzindo suas férias. O ônus de não engavetar a proposta está nas mãos do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT/SP), membro de um partido que sempre defendeu a moralização do Legislativo.

Além de reduzir o período de férias, o relatório do parlamentar mineiro também prevê corte no pagamento de salários-extras pagos durante as convocações extraordinárias do Congresso Nacional. Com três meses de férias, tem sido comum nos últimos anos a convocação extraordinária do Parlamento nos meses de julho ou de janeiro e fevereiro para votação de matérias importantes. Só em 2004, o Tesouro Nacional já gastou mais de R$ 20 milhões com a convocação em julho para acelerar a tramitação das reformas constitucionais. Hoje, é obrigatório o pagamento de dois salários-extras – um no início e outro no final – durante as convocações. Pelo parecer de Silvestre, apenas um salário-extra será pago.

Orçamento

Outra novidade é quanto ao fim dos trabalhos legislativos. Pelo relatório, o Congresso Nacional não poderá mais entrar em recesso sem antes aprovar o Orçamento Geral da União do ano seguinte. Hoje apenas a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO – que serve de base para a elaboração do Orçamento) impede a suspensão dos trabalhos em julho.

Silvestre reuniu em seu parecer idéias das três emendas à constituição que esperavam por aprovação na Câmara. A mais antiga data de 1999, de autoria do deputado Inaldo Leitão (PL/PB) determinava que as férias parlamentares seriam de 40 dias. Proposta do então deputado José Genoíno (PT/SP) era mais rigorosa: as férias seriam de 30 dias tanto para parlamentares quanto para integrantes do Judiciário. Já a PEC do deputado Ronaldo Vasconcelos (PL/MG) previa dois meses de férias para os parlamentares.

O presidente da Comissão Especial, deputado Orlando Desconsi (PT/RS), avalia que a aprovação do parecer de Silvestre foi um passo importante dado pela Câmara para que o Legislativo recupere sua credibilidade junto à opinião pública. “Essa aprovação é um avanço e reflete o anseio da sociedade brasileira que sempre se mobilizou pela redução do recesso parlamentar. Queremos que os demais parlamentares se sensibilizem e aprovem a proposta ainda em 2004”, disse.

Para ser aprovada, a PEC que reduz o recesso parlamentar precisa de votos favoráveis de 308 deputados em dois turnos de votação. Se aprovada no plenário da Câmara, a PEC segue para o Senado, onde terá que ser aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e depois em dois turnos pelo plenário. Se alterada, retorna para a Câmara. Se mantida, segue para promulgação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)