Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

23/12/2003 07:11

Confira o que muda com a aprovação do novo Cofins

Agência Senado

O Senado aprovou, ontem, projeto de lei de conversão proveniente da Medida Provisória nº 135/2003, que acaba com a cumulatividade na cobrança da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e fixa a nova alíquota em 7,6% - 153,3% superior à utilizada na incidência cumulativa, que é de 3%, conforme lembrou o relator da matéria, senador Delcídio Amaral (PT-MS). Foram 41 votos a favor e 9 contrários. A matéria vai à sanção presidencial.

De acordo com o texto aprovado, o fato gerador da Cofins não-cumulativa é o faturamento mensal, isto é, a totalidade das receitas da pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou classificação contábil. Essa totalidade compõe-se da receita bruta da venda de bens e serviços nas operações em conta própria ou alheia e de todas as demais receitas auferidas pela pessoa jurídica.

A base de cálculo da Cofins não-cumulativa é o faturamento mensal da pessoa jurídica, excluídas as receitas isentas ou não alcançadas pela incidência da contribuição ou sujeitas à alíquota zero; as não-operacionais, decorrentes da venda de ativo permanente; as auferidas pela pessoa jurídica revendedora, na revenda de mercadorias em relação às quais a contribuição seja exigida da empresa vendedora, na condição de substituta tributária, entre outras. Sobre a base de cálculo assim apurada, é aplicada a alíquota de 7,6% para determinar o valor da Cofins.

Ainda de acordo com o texto, a pessoa jurídica poderá descontar créditos calculados em relação a bens e serviços utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda, inclusive combustíveis e lubrificantes, à energia elétrica consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica, a aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos, pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa, entre outros itens.

A MP faculta às pessoas jurídicas que produzam determinadas mercadorias de origem animal ou vegetal a dedução de crédito presumido sobre o valor dos bens e serviços adquiridos de pessoas físicas, para utilização como insumos. Não há incidência da Cofins sobre as receitas decorrentes das operações de exportação de mercadorias, prestação de serviços a pessoa física ou jurídica domiciliada no exterior, com pagamento em moeda conversível, e vendas a empresa comercial exportadora com o fim específico de exportação.

A incidência não-cumulativa da Cofins não se aplica a instituições financeiras, a pessoas jurídicas que tenham por objeto a securitização de créditos, a operadoras de planos de assistência à saúde, a pessoas jurídicas tributadas pelo imposto de renda com base no lucro presumido ou arbitrado, a pessoas jurídicas optantes pelo Simples, a pessoas jurídicas imunes a impostos, a órgãos públicos, autarquias e fundações públicas, a sociedades cooperativas, entre outras. Não se aplica também a receitas decorrentes de operações sujeitas à substituição tributária da Cofins e a receitas auferidas na prestação de serviços de telecomunicações e das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens, entre outras.

O projeto de lei de conversão apresentado pelo relator da matéria na Câmara, deputado Jamil Murad, promoveu várias alterações no texto da medida provisória. Entre elas, as referentes à manutenção da incidência da Cofins à alíquota de 3%, em vez de 7,6%, mantida a cumulatividade do tributo, para os setores de saúde, educação e transporte coletivo e para as micro e pequenas empresas de software. O texto, que tem 93 artigos organizados em quatro capítulos, garante o encaminhamento, pelo Executivo, de projeto de lei ao Congresso, deslocando parcialmente, da folha salarial para a receita bruta, a incidência da contribuição previdenciária patronal.

Ao apresentar parecer favorável ao projeto de lei de conversão, Delcídio disse que o mérito da medida provisória parece inegável, pois a MP facilita a tributação, informatiza as atividades das aduanas e contempla o anseio de vários segmentos da economia, com os aperfeiçoamentos introduzidos pelo relator da matéria na Câmara: “meu voto é pela aprovação da MP 135 pelos impactos que trará e por tudo que acarretará no desenvolvimento do país”, concluiu o relator.

Antes da votação do projeto de lei de conversão, o Plenário rejeitou requerimentos de destaque apresentados pelos senadores Paulo Octávio (PFL-DF) e José Agripino (PFL-RN) que pretendiam a análise, em separado, de emendas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)