Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/06/2004 08:42

Confira a íntegra do programa Café com o Presidente

Agência Popular

Brasília - É a seguinte a íntegra do programa "Café com o Presidente" desta segunda-feira:

Luiz – Tudo bem, presidente?

Presidente – Tudo bem, Luiz.

Luiz – Nós gravamos a última edição na China, o senhor já está de volta a Brasília. Como é que foi a viagem, presidente? Já está recuperado da diferença de fuso horário, por exemplo?

Presidente – Bem, eu acredito que a viagem, Luiz, tenha sido um sucesso extraordinário. Agora, você sentiu na pele. É uma viagem cansativa, e a volta é bem pior, né? Porque quando a gente vai para a China, a gente chega lá e tem muito trabalho, então você nem sente o cansaço. Eu ainda não me recuperei totalmente, eu não sei se você já está recuperado...

Luiz: Não, ainda não...

Presidente: Mas, de qualquer forma, eu penso que o Brasil ganhou muito com essa viagem.

Luiz – Agora, presidente, depois da China, depois da Ucrânia, depois do México, o senhor foi à Bahia, em Salvador, inaugurar a Farmácia Popular. Fala um pouquinho para os nossos ouvintes sobre esse programa do governo federal.

Presidente – A Farmácia Popular é um sonho que nós acalentamos há muito tempo e estamos começando a implantá-la agora no Brasil. Bem, o que nós temos hoje no Brasil? Nós temos o SUS, em que todas as pessoas que vão a um pronto socorro atendido pelo SUS ou a um hospital, normalmente saem com um remédio prá tomar, esse remédio é gratuito. Mas têm outros milhões de brasileiros que não participam do SUS, que vão no seu médico particular, que vão no seu plano médico e que vão com uma receitinha e não podem comprar o remédio. Então, o que nós estamos fazendo? Nós estamos implantando farmácias populares. Essas farmácias populares...nós inauguramos algumas agora no Rio de Janeiro, inauguramos em Salvador, inauguramos em São Paulo, inauguramos em Goiânia. Até o final de junho, nós vamos inaugurar aproximadamente trinta farmácias, de preferência nas grandes regiões metropolitanas, onde há maior concentração de pessoas e nós queremos trabalhar muito prá ver se até o final do ano, nós conseguimos implantar 100, sempre nas regiões metropolitanas e nas capitais. E essa farmácia, ela vai vender remédio a um preço muito barato. Eu, por exemplo, quando estava em Salvador, presenciei a compra de um remédio, uma mulher que comprava um remédio numa farmácia e pagava R$ 7,70. Na Farmácia Popular, ela pagou R$ 1,50, ou seja, uma diminuição extraordinária.

Luiz – Presidente, quantos remédios aproximadamente estão disponíveis na Farmácia Popular?

Presidente – Nós queremos vender aproximadamente 92 tipos de remédios e, com o tempo, nós vamos aperfeiçoando prá colocar mais remédios. Com o tempo, nós vamos fazer convênios com a rede normal de farmácia prá que também alguns remédios possam ser barateados. Por exemplo, remédio para hipertensão. E o que é importante, Luiz, lembrar é que a Farmácia Popular não substitui o SUS. O SUS é uma coisa, a Farmácia Popular é outra. O SUS, a pessoa quando vai no posto médico, a pessoa sai com o remédio. A Farmácia Popular é prá atender aquelas pessoas, sabe, que pegam a receita e têm que comprar o remédio numa farmácia normal. Então, nós estamos vendendo remédio a esse preço bem mais barato, e eu espero que a gente vá aperfeiçoando cada vez mais. Nós estamos apenas iniciando um programa. O nosso sonho é fazer isso em todas as cidades de porte grande no Brasil, a começar pelas capitais. Eu acho que vai ser um sucesso, porque o povo vai deixar de guardar a receita no criado-mudo, porque não tem dinheiro prá comprar. Ele agora vai poder comprar o seu remediozinho e tomar, porque é isso que vai garantir que ele tenha uma cura mais rápida. O mais importante também é que nós temos como objetivo produzir parte desses remédios. Ou seja, nós temos laboratórios públicos, nós temos a Fiocruz, nós estamos comprando uma fábrica prá fazer uma parte desse remédio. Então, eu já cansei de ver pessoas entrarem em farmácias, perguntar quanto custa o remédio e sair sem comprar o remédio, porque não têm dinheiro.

Luiz – Houve um acordo na reforma tributária que vai permitir também uma redução no ICMS numa lista de quase três mil remédios, é isso?

Presidente – Esse é um acordo importante, em que nós contamos com a contribuição dos governadores, porque se nós conseguirmos reduzir o ICMS, nós vamos conseguir reduzir remédios entre 12% e 15%, um número muito grande de remédios e isso, obviamente, vai ajudar as pessoas que precisam desse remédio. O que é importante salientar, Luiz, é que quando a gente tem 20 anos de idade, 25 anos de idade ou 30 anos, a gente não precisa tomar remédio. Mas depois, meu caro, depois você começa a sentir uma dorzinha aqui, uma dorzinha ali, sabe, você começa a ter problemas de pressão e nesse momento é que o Estado precisa ter cuidado com você e, sobretudo, quando as pessoas começam a entrar na terceira idade, o Estado tem que ter uma preocupação maior ainda, porque esse é um momento de muita fragilidade das pessoas. E nós estamos cuidando, essas coisas não são fáceis, essas coisas não acontecem do dia prá noite, porque tudo depende de articulação política. Por exemplo, as farmácias populares, nós queremos fazê-las ligadas às santas casas, a hospitais filantrópicos, ou seja, para que a pessoa, ao sair do hospital, possa comprar o seu remédio. Nós não queremos fazer muito longe do posto médico, queremos fazer próximo do posto médico, e aí você precisa demorar, prá fazer acordo com prefeituras, prá fazer acordo com os hospitais, prá poder encontrar o local adequado. E eu acho que nós estamos conseguindo e, se Deus quiser, logo, logo, o povo não vai ter problema de comprar remédio.

Luiz – Tá certo presidente, obrigado pela conversa e até o nosso próximo encontro, em mais uma edição do Café com o Presidente.

Presidente – Obrigado a você Luiz.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)