Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/09/2007 06:33

Condenada mulher que matou companheiro italiano

TJGO

Em decisão proferida ontem (27), a juíza Elaine Christina Alencastro Veiga Araújo, de Anicuns, condenou Romilda Sardinha da Costa a 22 anos de reclusão em regime fechado pelo latrocínio (ato de matar para roubar) e ocultação de cadáver de seu companheiro, o italiano Clávio Terenzi. Também foi acusado do crime Carlos Danilo, que contudo teve o processo desmembrado em relação a ela. De acordo com o Ministério Público (MP), os crimes ocorreram em meados de outubro de 2006. Para se desvencilhar do companheiro, Romilda lhe deu um sonífero dissolvido em suco de laranja e, com Clávio já desacordado, desferiu-lhe golpes com pedras - que chegaram a fraturar o osso peitoral esterno dele. Após asfixiá-lo, ela arrastou o corpo do italiano até um matagal, e fugiu do local retirando, antes, o relógio, um anel e um par de sandálias dele.
Ainda de acordo com o MP, Romilda passou a falsificar a assinatura de Clávio com o objetivo de continuar recebendo remessas de dinheiro proveniente da Itália através do câmbio. Extratos bancários juntados nos autos comprovam que, após a morte dele, foram realizadas duas remessas, uma de R$ 6.451,56 e outra de R$ 10.751,08, as quais foram recebidas. A acusada também se apoderou de cerca de R$ 3 mil da vítima e se utilizou dele para fugir, retornando à Itália, de onde foi deportada e, ao chegar ao Brasil presa por força de mandado de prisão preventiva expedido pelo juízo de Nazário.
Apesar de confessar o crime na delegacia, a acusada se disse inocente em juízo e, em fase de alegações finais, pediu a absolvição. Na sentença, Elaine Christina asseverou que as provas juntadas no processo são suficientes para condená-la. De acordo com a magistrada, apesar de negar o fato em juízo, Romilda relatou o crime na fase inquisitorial com detalhes que estão em consonância com os depoimentos de testemunhas e demais provas apresentadas pela acusação.
Para a juíza, as alegações contraditórias e evasivas da acusada, bem como sua viagem à Itália e a ausência de álibi para o dia em que os fatos ocorreram somente a incriminam mais. "É entendimento manso e pacífico da jurisprudência que confere-se maior credibilidade à confissão extrajudicial que à retratação em juízo desde que a primeira esteja amoldada às demais provas e circunstâncias dos autos, totalmente inverossímil e divorciada do conjunto probatório", lembrou a juíza. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)