Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/07/2016 11:00

Companhia é incentivo comprovado para fazer exercícios

Educação Física.org

Convidar um amigo ou parente para fazer exercícios físicos em conjunto é uma motivação a mais para quem quer começar a fazer ginástica. O benefício foi comprovado por um estudo realizado no Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte (OSUBH) da Faculdade de Medicina da UFMG, coordenado pelos professores Waleska Caiaffa e Fernando Proietti, do programa de pós-graduação em Saúde Pública. A pesquisa revela que ter uma companhia para a prática de atividades físicas pode dobrar as chances de manter o hábito e melhorar a qualidade de vida.

A pesquisa classificou adultos com idades entre 18 e 69 anos das regiões Oeste e Barreiro, em Belo Horizonte, em três grupos: inativos, insuficientemente ativos e ativos.

Os 3.454 participantes responderam a um questionário padrão com perguntas sobre estilo de vida, que incluiu especialmente questões sobre a prática de atividade física: tempo, frequência e intensidade. Adicionalmente, foram feitas perguntas sobre o incentivo recebido para exercitar-se, a disponibilidade e o compromisso de pessoas próximas em fazer companhia aos entrevistados durante estas práticas.

“Nós identificamos que as pessoas que recebem incentivos de parentes e amigos para fazer exercícios físicos têm mais chance de manterem-se ativas. A motivação também é maior quando essas pessoas têm companhia para praticar as atividades físicas. Quem recebe esse tipo de suporte social multiplica em 2,64 vezes as chances de atingir ou manter-se nos níveis de atividade física recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, afirma a nutricionista Janaína Goston, uma das autoras do estudo que analisou a interferência social no estímulo à pratica de atividades físicas.

“As taxas de sedentarismo reveladas pela pesquisa são alarmantes. Os entrevistados classificados como inativos somaram 60,3% do total de participantes, ou seja, 2.083 pessoas disseram que nunca praticam mais de 10 minutos consecutivos de qualquer tipo de atividade física. Descobrimos que este grupo representa 77,1% das 666 pessoas que não recebem qualquer tipo de incentivo para se exercitar. Já entre os 760 mais motivados socialmente, os sedentários correspondem a um número menor, 51,7%”, relata.

A pesquisadora avalia que o percentual de entrevistados que praticam exercícios nos níveis recomendados ainda é baixo. “A OMS preconiza que, para promover benefícios à saúde, são necessários ao menos 150 minutos por semana que podem ser distribuídos, por exemplo, em 30 minutos diários de atividades físicas, cinco vezes por semana, Apenas 577 participantes (16,7%) afirmaram praticar atividades físicas com esta regularidade”, explica a pesquisadora.

Mapeando mudanças possíveis

Além da influência do suporte social para os exercícios físicos, o OSUBH pesquisa outras questões relacionadas ao contexto urbano, que podem influenciar a prática de atividades físicas. Entre elas, destacam-se a presença de espaço físico adequado e motivador à prática, como parques ou praças, segurança na vizinhança, presença de passeios, calçadas e iluminação apropriada que podem ser facilitadores para a prática.

“Vários desses estudos voltados à promoção da saúde estão sendo desenvolvidos por nosso grupo de pesquisadores, de forma a possibilitar melhorias contínuas na cidade. Um bom exemplo disso é o programa das Academias da Cidade: espaços populares para prática de exercícios físicos, que estão sendo instalados em várias regionais de BH com fins de promoção da saúde entre jovens, adultos e principalmente os idosos”, afirma Janaína Goston. De acordo com a pesquisadora, o programa irá ajudar a prevenção de uma série de doenças crônicas na população, como obesidade, hipertensão e diabetes.

“Há fatores de risco, como o sedentarismo, a má alimentação e o tabagismo, que podem ser modificados a partir de mudanças no comportamento das pessoas. O Observatório de Saúde Urbana da Faculdade de Medicina da UFMG busca investigar como o contexto social, ambiental e biológico de pessoas vivendo em grandes centros urbanos pode influenciar a saúde, e o quanto o processo de urbanização pode impactar na qualidade de vida das pessoas”, conclui Janaína Goston.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)