Cassilândia, Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020

Últimas Notícias

04/09/2003 08:08

Como foi a votação da reforma tributária

Raquel Ribeiro, Iolando Lourenço e Marcos Chagas/Agência Brasil

Na queda-de-braço travada ontem e hoje entre União e Estados para a votação da Reforma Tributária, venceu o governo federal. Com 378 votos a favor, 53 contrários e nenhuma abstenção, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou em primeiro turno a reforma Tributária. O placar foi melhor que o registrado na votação em primeiro turno da reforma da Previdência, quando 358 deputados garantiram a aprovação da matéria.

A votação, que só foi encerrada às 2h50, foi lenta e esteve em suspenso em muitas oportunidades. Os governadores chegaram a orientar as bancadas a votarem contra a reforma caso o texto do relator Virgílio Guimarães (PT/MG) não fosse modificado. Às 23 horas da quarta-feira, os deputados receberam a versão final da emenda aglutinativa, que foi aprovada no lugar do relatório anterior, aprovado pela Comissão Especial.

Dos 93 deputados do PT, 87 votaram a favor e os três rebeldes Luciana Genro (RS), Babá (PA) e João Fontes (SE) votaram contra. Dois petistas se ausentaram. Os oito dissidentes, que estão suspensos por 60 dias por terem registrado abstenção na reforma da Previdência, votaram com o governo. O PMDB, que conta com 77 deputados, deu 70 votos favoráveis e três contrários. Quatro peemedebistas não compareceram à sessão.

Embora em obstrução, uma vez que o líder do PFL anunciou a saída do plenário, 15 deputados do partido votaram a favor da reforma tributária para atender os governadores e, também, para cumprir o acordo que garantiu a prorrogação dos incentivos da Zona Franca de Manaus até 2023. Três pefelistas votaram "não" e 51 se ausentaram do plenário. Nenhum deputado do Prona votou a favor da reforma. Dois deles votaram "não" e quatro se ausentaram da votação.

Contrariando a orientação da liderança, 24 deputados do PSDB votaram pela aprovação da reforma, ao passo que 26 votaram "não" e cinco não compareceram ao primeiro turno. O PTB, que tem 53 deputados, deu 43 votos ao governo. Dos 49 deputados do PP, 35 votaram "sim".

O PPS, o PCdoB foram os partidos da base mais fiéis. Os comunistas votaram fechado na proposta do governo e garantiram mais 11 votos pela aprovação da reforma. Os deputados do PPS garantiram todos os seus 19 votos para a aprovação do texto.

O PL, PSB e PV também mostraram sintonia com o governo. Os liberais deram 38, dos 39 votos da bancada. Já os socialistas deram 17, dos 19 votos. O verdes garantiram cinco votos da bancada de seis deputados. O PDT, que esteve dividido na votação da Previdência, desta vez deu 10 dos 13 votos para o governo.

Sete destaques foram sugeridos pelo PSDB, PFL e Prona, mas o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT/SP), costurou um acordo para que fossem analisados em outra sessão, a exemplo do que aconteceu na reforma da Previdência. Os tucanos sugeriram a prorrogação da CPMF por apenas 2 anos - e não 4 anos como previa a emenda aglutinativa; a isenção do pagamento do Pasep para estados e municípios e garantir que as importações de combustíveis não serão tributadas pela Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

Os pefelistas defenderam a retirada de toda a legislação referente ao ICMS do texto da reforma; o fim das contribuições sobre importações e da elevação da alíquota do Imposto sobre Herança – que hoje é de 4% e pela reforma será progressivo com limite de alíquota de 15%. O Prona tenta suprimir da reforma a Desvinculação dos Recursos da União (DRU). O oitavo destaque foi da base aliada, que pediu a supressão de um artigo da emenda aglutinativa a fim de evitar problemas na regulamentação da nova Lei de Informática.

Os destaques e as 40 emendas aglutinativas apresentadas à reforma começarão a ser votados nominalmente em sessão extraordinária marcada para as 11h30 desta quinta-feira. A expectativa do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT/SP) é que a votação dos destaques e emendas se estenderá pela próxima semana.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 01 de Outubro de 2020
Quarta, 30 de Setembro de 2020
17:50
Ituiutaba, Minas Gerais: confira o boletim coronavírus desta quarta-feira
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)