Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

17/11/2003 15:22

Comissão rejeita saque do FGTS para construção

Agência Câmara

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal rejeitou o projeto (PL 3762/00) que autoriza a movimentação do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) pelos titulares das contas atingidos por calamidades públicas. A proposta é de autoria do deputado Eduardo Campos (PSB-PE).
O relator do projeto na comissão, deputado Vicentinho (PT-SP), avalia que o FGTS não é o mecanismo adequado para ajudar as pessoas que são atingidas por esse infortúnio.

BENEFÍCIO PEQUENO
Recorrendo a dados da Secretaria Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades, Vicentinho mostra que a ocorrência de habitações precárias e em áreas de risco está relacionada ao tamanho populacional do município. Assim, cerca de 97% das cidades com população superior a 500 mil habitantes possuem favelas e 87% desses municípios possuem habitações localizadas em áreas de risco. "É fácil perceber a estreita associação entre habitação precária e a pobreza. Por outro lado, sabemos que há uma forte correlação entre pobreza e economia informal", explica.
O parlamentar lembra que apenas 27% dos trabalhadores cujos rendimentos são de até dois salários mínimos estão ocupados no setor privado, com carteira de trabalho assinada, tendo acesso ao FGTS. "Assim, pode-se supor que, na melhor das hipóteses, apenas 3 em cada 10 trabalhadores que moram em áreas de risco poderiam ser beneficiados com a possibilidade de movimentação da conta vinculada para reconstrução de sua moradia, em virtude de desastre".
O relator argumenta ainda que, apesar disso, de acordo com dados do Agente Operador do FGTS, o saldo médio de 60% das contas vinculadas ativas em dezembro de 2002 não ultrapassava R$ 55. "Portanto, a maioria dos trabalhadores de baixa renda, com contas no FGTS, não acumula saldos capazes de contribuir substancialmente com o processo de reconstrução de suas casas", finaliza.

EQUÍVOCO
O deputado Avenzoar Arruda (PT-PB) apresentou voto em separado em que defende a aprovação da medida. Em sua opinião, afirmar que as vítimas de calamidades públicas não são participantes do FGTS é, no mínimo, um equívoco. "Embutido nessa alegação, verifica-se um menosprezo por aqueles que, hoje indigentes, podem amanhã ocupar postos de trabalho formais, mesmo continuando em regiões propícias a infortúnios".
O projeto agora segue para a votação nas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Redação. Se for rejeitado por todas as comissões, será arquivado. Se for aprovado por uma delas, será apreciado pelo Plenário da Câmara.



Reportagem - Simone Ravazzolli
Edição - Natalia Doederlein


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Setembro de 2020
Quinta, 24 de Setembro de 2020
14:18
Luto
Quarta, 23 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)