Cassilândia, Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018

Últimas Notícias

07/11/2004 15:34

Comandante do Exército é o próximo a deixar o governo

Aquidauana News

O comandante do Exército, general Francisco Albuquerque, ficou em situação ainda mais delicada no governo depois de ficar claro na sexta-feira que, se dependesse só dele, o Exército não se retrataria da nota divulgada no dia 17 de outubro, em que justificava a repressão ao "movimento subversivo" e se queixava de revanchismo na divulgação das fotos erroneamente identificadas como do jornalista Vladimir Herzog, morto em 1975 no DOI-Codi de São Paulo.

Nas duas versões iniciais da correção que o Exército apresentou, por determinação expressa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Albuquerque não mencionou os excessos da ditadura e nem lamentou a morte de Herzog. O tom de reparação só aparece numa terceira versão, divulgada depois de uma tensa reunião entre Lula, o então ministro da Defesa, José Viegas, e o próprio Albuquerque na Base Aérea, no dia 19 de outubro.

As duas primeiras versões da nota enfraquecem os argumentos do general. No início da crise, Albuquerque sustentou que a nota que justificava a repressão fora divulgada sem seu conhecimento prévio. Na tarde do dia 17, quando a nota foi divulgada no Correio Braziliense, Viegas exigiu, por escrito, explicações de Albuquerque. "Vossa Excelência autorizou a divulgação da nota? Em caso de resposta afirmativa, por que Vossa Excelência não me consultou antes do envio da nota ao jornal? A quem cabe a divulgação da nota nestas circunstâncias?", indagou o ministro.

O general foi à casa de Viegas apresentar suas explicações, mas o ministro exigiu a resposta por escrito. No mesmo ofício Viegas enumera itens que o desagradaram na primeira nota. "O Ministério da Defesa não nega as mortes que sabidamente ocorreram durante certos períodos do governo militar; o Exército não deve falar em nome do Ministério da Defesa e das forças coirmãs; o teor da nota não contribui para que cessem as discussões estéreis sobre conjunturas passadas", diz o ministro. Na primeira versão da correção, o Centro de Comunicação Social do Exército apenas informa que não teve "a intenção de expressar-se em nome do Ministério da Defesa e das Forças coirmãs". Sobre os fatos em si, limita-se a dizer que "o passado é história". A segunda versão também pouco avançou. Lula e Viegas, então, ditaram as linhas gerais do texto que queriam publicado.

Paraná Online

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 23 de Fevereiro de 2018
Quinta, 22 de Fevereiro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)