Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/11/2004 15:34

Comandante do Exército é o próximo a deixar o governo

Aquidauana News

O comandante do Exército, general Francisco Albuquerque, ficou em situação ainda mais delicada no governo depois de ficar claro na sexta-feira que, se dependesse só dele, o Exército não se retrataria da nota divulgada no dia 17 de outubro, em que justificava a repressão ao "movimento subversivo" e se queixava de revanchismo na divulgação das fotos erroneamente identificadas como do jornalista Vladimir Herzog, morto em 1975 no DOI-Codi de São Paulo.

Nas duas versões iniciais da correção que o Exército apresentou, por determinação expressa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Albuquerque não mencionou os excessos da ditadura e nem lamentou a morte de Herzog. O tom de reparação só aparece numa terceira versão, divulgada depois de uma tensa reunião entre Lula, o então ministro da Defesa, José Viegas, e o próprio Albuquerque na Base Aérea, no dia 19 de outubro.

As duas primeiras versões da nota enfraquecem os argumentos do general. No início da crise, Albuquerque sustentou que a nota que justificava a repressão fora divulgada sem seu conhecimento prévio. Na tarde do dia 17, quando a nota foi divulgada no Correio Braziliense, Viegas exigiu, por escrito, explicações de Albuquerque. "Vossa Excelência autorizou a divulgação da nota? Em caso de resposta afirmativa, por que Vossa Excelência não me consultou antes do envio da nota ao jornal? A quem cabe a divulgação da nota nestas circunstâncias?", indagou o ministro.

O general foi à casa de Viegas apresentar suas explicações, mas o ministro exigiu a resposta por escrito. No mesmo ofício Viegas enumera itens que o desagradaram na primeira nota. "O Ministério da Defesa não nega as mortes que sabidamente ocorreram durante certos períodos do governo militar; o Exército não deve falar em nome do Ministério da Defesa e das forças coirmãs; o teor da nota não contribui para que cessem as discussões estéreis sobre conjunturas passadas", diz o ministro. Na primeira versão da correção, o Centro de Comunicação Social do Exército apenas informa que não teve "a intenção de expressar-se em nome do Ministério da Defesa e das Forças coirmãs". Sobre os fatos em si, limita-se a dizer que "o passado é história". A segunda versão também pouco avançou. Lula e Viegas, então, ditaram as linhas gerais do texto que queriam publicado.

Paraná Online

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)