Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/04/2013 13:34

Com tanta propaganda contra, por que há uma geração de novos fumantes?

Campo Grande News/ Anny Malagolini

Nem a “diabolização” do cigarro impede a criação de uma nova geração de fumantes. Todo mundo critica, dá lição de moral, a propaganda é contra, as fotos nos maços são de gente morrendo, mas nenhum marketing ou pressão contra a nicotina é o suficiente. Sempre tem uma turma de 17, 18 anos, fumando em rodinhas por aí.

A velha história de começar a fumar para entrar em um grupo ou parecer bacana, ainda se repete. “Queria saber a sensação e todo mundo fumava”, admite o músico Eric Till. Ele conta que aos 19 anos chegou a fumar dois maços de cigarros por dia. Depois da “overdose de nicotina”, nunca mais conseguiu se livrar do hábito. Mas agora, jura: só fuma socialmente, também para economizar.

Além da saúde abalada pelos excessos do fumo, os gastos com o cigarro comprometeram planos. “Com o dinheiro gasto em cigarros poderia financiar um carro ou comprar qualquer outra coisa útil”, diz.

Um cálculo rápido comprova. Eram mais de R$ 300,00 por mês, contabilizando um maço barato, de R$ 5,00. Já a prestação do carro pode sair por R$ 320,00, com uma entrada gorda.

Para a nova geração de fumantes. Não adianta nem apelo de mãe. “Meu pais descobriram, ficaram tristes e pediram para eu parar, mas comprava com o meu dinheiro e quis continuar. Se a pessoa quer fumar, que fume, não precisa de toda essa campanha”, reclama Eric.

A “bituca” de cigarro do pai foi o primeiro “trago” na vida de Bruno Bianchi, aos 14 anos de idade. Mesmo com broncas após o episódio, ele começou a fumar. Mais de sete anos depois, o vício ainda não é explicito diante a mãe. “Ela não gosta do cheiro, então não fumo perto dela. Posso até estar com o cigarro acesso, mas na frente dela não dou nenhuma tragada”.

Para ele, as maiores chatices por fumar estão na balada. “O fumante também tem de ser respeitado. Por isso deveria haver algumas regras para esses locais, como lugar para sentar, cinzeiro. Mas tudo em um espaço organizado e aconchegante ou algum carimbo ou algo do tipo, para que a pessoa possa sair, fumar o cigarro, e voltar à balada e continuar curtindo a noite”, sugere.

Bruno lembra que nunca passou por nenhuma situação constrangedora por causa do cigarro, porque aprendeu com a mãe que sempre tem alguém que se incomoda com o cheiro. Por isso, acha ideal os “fumódromos”, em bares e boates.

Parar de fumar é uma ideia que pouco assombra o rapaz, que compara o vício ao churrasco. “Acho que tudo que a gente gosta tem um lado ruim, até o churrasco do fim de semana”.

Fumante há três anos, a universitária Ana Vitória sente o preconceito por conta do vício até no convívio familiar. O preconceito começa pelo histórico, a mãe e uma tia de Ana são ex-fumantes.

Ela acredita que por ser mulher e jovem "sempre fazem cara feia". Aos 19 anos, conta também que certa vez estava perto de um bar, por volta das 23 horas e, ao passar com filho pediu à criança para não olhar para Ana, que estava com o cigarro na mão. O fato de não poder fumar em qualquer local incomoda, "por ser discriminatório".

Pior é que o risco de morrer também não impressiona, pelo menos aos amigos Luan Araujo Moraes, de 22 anos e Juliano Souza, de 24 anos.

Ainda criança, aos 12 anos, Luan começou a fumar por influência dos amigos. Nem a morte da mãe, vítima de câncer de esôfago, causado pelo cigarro, fez com que ele mudasse de ideia. Em 10 anos, Luan conta que já parou por dois meses. Segundo ele, “foi um período sacrificante”, tomado de mau humor.

Já Juliano é enfático, não liga para qualquer censura: “comecei porque quis”. O rapaz teve curiosidade, foi lá e comprou, isso aos 16 anos. Parar? Não está nos seus planos, apesar do cigarro já ter comprometido algumas oportunidades de emprego. “Na entrevista, se você responde que é fumante já encerram por ali mesmo”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)