Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/05/2011 15:35

CNMP aprova demissão de Leonardo Bandarra e Deborah Guerner

Débora Zampier, Agência Brasil

Brasília – O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aprovou hoje (17) a demissão dos promotores Leonardo Bandarra e Deborah Guerner de suas funções. A punição administrativa foi admitida por nove conselheiros no caso de Bandarra e por todos os dez, no caso de Deborah, em um total de dez votos contabilizados. Bandarra e Deborah são acusados de envolvimento no esquema de corrupção no governo do Distrito Federal revelado pela Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, em 2009.

Mesmo com a decisão de hoje, a demissão não é imediata. A partir de agora, os processos serão encaminhados ao procurador-geral da República, que também é o presidente do CNMP, para que ele proponha ação civil na Justiça Federal de Brasília para obter a demissão dos promotores.

Além de aprovar a demissão, o conselho decidiu suspender Deborah Guerner por 60 dias e Leonardo Bandarra por 150 dias, sem recebimento de salário ou gratificações.

Formalmente, Deborah Guerner e Leonardo Bandarra receberam a punição administrativa (demissão) por violarem sigilo funcional para obtenção de recompensa (vazamento de dados da Operação Megabyte) e por tentarem obter vantagem pecuniária indevida do então governador José Roberto Arruda. Eles teriam cobrado uma quantia milionária para não divulgarem vídeo em que Arruda aparece recebendo dinheiro ilegal.

O julgamento começou no último dia 6 de abril, mas foi interrompido por um pedido de vista do conselheiro Achiles Siquara. Na ocasião, já haviam votado o relator Luiz Moreira e os conselheiros Bruno Dantas e Almino Afonso, todos pela demissão de ambos os promotores. O julgamento foi retomado nesta manhã com o voto de Siquara, que entendeu que Bandarra não poderia ser punido porque não havia provas suficientes para provar sua participação no esquema.

“Não se prova a participação de Leonardo Bandarra, isso é apenas hipotético. A suspeita é longínqua, incoerente e não tem respaldo das provas. Não se pode fazer ilação por raciocínio lógico”, defendeu Siquara. Por outro lado, ele entendeu que havia “acervo probatório robusto” contra Deborah Guerner e, por isso, votou pela sua demissão.

O próximo voto foi o do conselheiro Cláudio Barros Silva, que destacou a importância do comportamento ético que deve permear a vida e as atividades dos membros do Ministério Público.

“O agente administrativo deve necessariamente distinguir o bem do mal, o honesto do desonesto. Não pode desprezar o elemento ético de sua conduta. A sociedade cobra comportamento exemplar de membros do Ministério Público”, disse o conselheiro afirmando ainda que os acusados são imputados de fatos gravíssimos de questão moral.

Votaram com o relator, destacando a questão ética apontada por Barros Silva, os conselheiros Adilson Gurgel, Maria Ester Tavares, Sandra Lia, Taís Ferraz e Mario Bonsaglia.

O presidente do CNMP, Roberto Gurgel, não se pronunciou, pois só votaria em caso de empate. A conselheira Cláudia Chagas declarou-se impedida e o conselheiro Sandro Neis não votou porque os corregedores não votam em processos disciplinares. O conselheiro Sérgio Feltrin não compareceu ao julgamento porque está de licença médica.



Edição: Lílian Beraldo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)