Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/10/2005 16:20

CNA defende retaliação do governo

Ministério da Saúde

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou nota, na semana passada, reproduzindo, como frisa, a preocupação de produtores brasileiros “com a forma com que representantes do Governo estão negociando, em Washington (EUA), a adoção de possíveis compensações comerciais para evitar a retaliação contra o governo norte-americano por conta dos subsídios ao algodão já considerados ilegais pela Organização Mundial do Comércio (OMC).
Diz a nota, divulgada para a imprensa, que os cotonicultores condenam a busca de uma solução negociada com os norte-americanos, como estratégia para evitar que o Brasil seja alvo de retaliações em outros segmentos do comércio bilateral. No ano passado, a OMC julgou ilegais os subsídios concedidos aos produtores norte-americanos de algodão, atendendo a ação movida pelo Brasil, que exportou, em 2004, mais de US$ 400 milhões (maior volume desde 1995). De janeiro a julho deste ano, as vendas externas foram de US$ 81,3 milhões.
O chefe do Departamento de Negociações Internacionais e de Comércio Internacional da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Antônio Donizeti Beraldo, avalia que negociar alternativas precoces para resolver o impasse com os norte-americanos desvaloriza todo o processo de defesa que o País promoveu frente à OMC. “Fazer este tipo de negociação leva à perda de credibilidade”, diz Beraldo.
Na avaliação do diretor-executivo da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), Hélio Tollini, o governo brasileiro está adotando uma decisão equivocada. “Dizer que estamos dispostos a negociar compensações é informar aos EUA, aos países africanos produtores de algodão, que tanto admiram o Brasil pela vitória na OMC, e ao mundo algodoeiro, que nada do que o Brasil fez até agora era para valer. Todo o processo de desenvolvimento da agricultura brasileira será negativamente afetado”, afirmou o dirigente da Abrapa.
A OMC determinou, em março, que os EUA teriam seis meses para retirar os subsídios internos ou evitar que tais subsídios prejudicassem o Brasil. Em julho, o Brasil conseguiu, na OMC, o direito de retaliar os EUA. Apesar da condenação, até agora o governo americano não retirou os subsídios aos produtores de algodão do seu país, que chegam, anualmente, a mais de US$ 3 bilhões.
Na nota divulgada, a CNA informa que o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, está em Washington para buscar uma solução negociada com o governo americano, antes de adotar retaliações contra aquele país.

Fazendeiro

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)