Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

04/05/2004 16:01

Clima e topografia beneficiam produção em Rio Verde

Adriano Gaieski/ABr

Sem inventar a roda ou descobrir a pólvora, a população de Rio Verde, no sudoeste de Goiás, aprendeu a aproveitar a topografia, os espaços e o clima da região para tornar o município um dos principais produtores de grãos do país. A última safra somou 1,2 milhão de toneladas, o que representa até 12% de tudo o que saiu do Estado no ano passado – ou 1% da produção nacional.

Há 10 anos, as culturas locais eram baseadas no milho e na soja, basicamente voltadas para a pecuária de corte. Mas segundo o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Paulo Martins, o clima com chuvas regulares e temperaturas amenas facilita o plantio de três safras por ano: a de verão, a safrinha e a irrigada. "A soja foi a pioneira, com o incentivo do programa Pólo-Centro, do governo federal", informa o secretário.

A partir daí, os 8.338 quilômetros quadrados (833,8 mil hectares) passaram a ser ocupados de forma rotativa com culturas de soja, milho, algodão, sorgo, feijão e arroz de sequeiro. A soja é a estrela e ocupa 300 mil hectares. O sorgo fica com 70 mil; o milho, com 60 mil; trigo, girassol, algodão, arroz e feijão com mais 150 mil hectares. Sobram ainda o espaço urbano, áreas para criação de aves, suínos e um pouco de pecuária de corte, além da área de preservação ambiental.

As terras disponíveis para a agricultura já estão sendo aproveitadas com o plantio da safra irrigada, basicamente com feijão, trigo e tomate. “Usamos a técnica do plantio direto e aproveitamos as aberturas dos mercados do sul, quando eles estão em entressafra”, explica Martins.

Agronegócio

A produção faz girar uma engrenagem que envolve todos os setores do agronegócio. Amanhã (5), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará de duas solenidades que revelam a força da economia do município. Numa, comemorará a contratação de 5.001 funcionários da empresa agroindustrial Perdigão. E na outra, inaugurará a unidade de esmagamento de soja da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo). A capacidade atual vai mais que triplicar, passando das atuais mil toneladas ao dia para 3,5 mil, destinadas para farelo e óleo de soja.

Além da Comigo há outras duas esmagadoras de soja no município: a Cargil, com 2,5 mil toneladas/dia e um produtor individual, com outras 500 toneladas/dia. Diretamente são gerados 1,5 mil empregos na Comigo, número aproximado na Cargil e 70 na Cereal. O resultado deste esforço são 750 mil toneladas de soja esmagadas ao ano, o que acaba fomentando a produção do grão nos municípios do entorno de Rio Verde.

Terra valorizada

A produtividade de soja no município é de 3 toneladas por hectare, mais 6 de milho – superior à média nacional. De acordo com o secretário Paulo Martins, há incentivo para a área plantada, mas sem redução do rebanho bovino, que é o segundo de Goiás, com 480 mil cabeças de gado. Deste total, 40% destinam-se à produção leiteira e o restante, para corte.

A produtividade também valoriza a terra. Qualquer pedaço é negociado com base no preço diário da saca de soja, que por sua vez é cotada em dólar. Com 18 toneladas do grão, hoje, seria possível a compra de um hectare. Este conjunto faz de Rio Verde um "Eldorado" – a renda per capita no município ultrapassa US$ 4,3 mil anuais. “O que nos atrapalha é o gargalo dos financiamentos, limitados a R$ 1 mil por hectare”, lamenta Paulo Martins.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)