Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/03/2014 11:05

Cliente é indenizada por produto sem registro causar queda de cabelo

TJMS

O juiz titular da 2ª Vara Cível de Campo Grande, Marcelo Câmara Rasslan, julgou procedente a ação movida por A.A. da S. contra V.M.V.C., condenando-a ao pagamento de R$ 2 mil de indenização por danos morais, por um produto sem autorização usado em um tratamento realizado pela ré ter causado a queda de parte dos cabelos da autora.

Narra a autora da ação que no dia 6 de novembro de 2009 realizou seis sessões de hidratação capilar no salão de beleza da ré. No entanto, percebeu que durante o processo de tratamento houve uma grande queda e quebra do seu cabelo, além de sentir ardência no couro cabeludo quando a ré aplicava o produto “G7”, que tinha um forte cheiro de álcool.

Sustentou que foi insultada pela ré quando pediu o comprovante de pagamento dos serviços, que foi negado grosseiramente. Além disso, a dona do salão a destratou com palavras de baixo calão na frente de todos, ao ser solicitada a embalagem e o fornecedor do produto usado no seu cabelo.

Diante desta situação, a requerente registrou um Boletim de Ocorrência e fez reclamação à Secretaria da Receita e Vigilância Sanitária.

Em contestação, a ré disse que o produto “G7” não provocou a queda do cabelo da autora, pois ela já apresentava quedas de cabelo quando procurou pelos seus serviços. Segundo ela, a autora provavelmente pintava seu cabelo por conta própria e fazia hidratação usando produtos não conhecidos.

Alegou ainda que não destratou a sua cliente, pois foi ela quem disse palavras de baixo calão e a insultou no seu estabelecimento, o que poderia ter causado vários prejuízos à reputação do salão.

Ao analisar os autos, o juiz observou que o ofício da Vigilância Sanitária aponta a empresa fabricante do produto “G7” como desconhecida e que sequer teve autorização da ANVISA, o que torna o produto impróprio para uso, pois não há garantias de sua segurança e eficácia.

Além disso, o magistrado sustentou que os depoimentos das testemunhas e as fotos juntadas nos autos comprovam que realmente houve danos nos cabelos da autora, pois ambos comprovam que a autora sofreu falhas em seu couro cabeludo.

Desta maneira, o pedido de indenização por danos morais foi julgado procedente, pois, com a queda do seu cabelo, a autora teve sua imagem e bem estar atingidos, uma vez que ela passou a usar lenços e panos para tentar disfarçar o ocorrido e, além disso, foi ofendida pela ré inúmeras vezes.

Processo nº 0019887-40.2012.8.12.0001

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)