Cassilândia, Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Últimas Notícias

16/03/2015 08:19

Cinco impactos da alta do dólar no agronegócio

Famasul

Nesta semana o dólar chegou à maior cotação em relação ao real dos últimos 12 anos. Veja qual o impacto disto no café, na soja, no gado de corte, nos suínos e nos adubos.

Na sexta, dia 13, o dólar fechou ontem com alta de 3,36%, cotado a R$ 3,26, o maior valor desde 2 de abril de 2003. Durante toda a semana o Mercado e Companhia repercutiu os impactos dessa cotação em diversos setores do agronegócio.

Café

A alta do dólar é uma boa notícia para os preços do café, na avaliação do analista de mercado Daniel Dias. Entre outubro de 2014 e março deste ano, a cotação do café na Bolsa de Nova Iorque caiu 67%. Em março, a libra-peso está cotada em torno de US$ 1,31. No Brasil, o café arábica teve queda de 8,6% no mesmo período, e está cotado em torno de R$ 451 a saca. Dias diz que a oferta e demanda de café para 2015 estão garantidas, de modo que os preços não devem subir muito no mercado internacional. Para o analista, o que segura o mercado no Brasil hoje é o câmbio. Sem a valorização do real em torno de 30%, ele diz que a saca do café estaria entre R$ 280 e R$ 300 no Brasil. Assista à entrevista.

Soja

A valorização do dólar estimulou as vendas. Nas últimas três semanas foram negociadas 15 milhões de toneladas, um recorde para o período. Com a alta da moeda americana, os preços da soja em reais por saca, ao produtor rural, avançaram cerca de R$ 8, motivados apenas pelo câmbio, afirma o analita Vlamir Brandalizze. O analista diz que a cotação do dólar fez a rentabilidade da saca da soja chegar a valores que grande parte dos produtores esperavam. Ele diz que este nível de dólar é favorável em quase todas as regiões do país, dando condições para o produtor pagar suas contas e ter rentabilidade. Há produtores inclusive aproveitando os valores para garantir vendas para o ano que vem, fechando os primeiros contratos da safra 2015/2016. Assista à entrevista.

Confinamento

O gerente-executivo da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon), Bruno Andrade, afirma que a intenção de confinamento aumentou 7%. Existe otimismo do produtor em confinar mais, embora apenas 74% destes animais planejados para o confinamento em 2015 estão adquiridos. Isso acontece porque o boi magro está com valor alto no Sudeste, região que mais confina. Mesmo assim, há expectativa de que as exportações sejam boas este ano. Com o dólar no patamar de R$ 3, a notícia é boa para os produtores que venderem para fora do país. Assista à entrevista.

Suínos

A alta do dólar impacta diretamente os custos de produção para os suinocultores, de acordo com o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador. O farelo de soja registrou alta de 20% de janeiro até agora. O dólar valorizado também já se reflete nas compras de agroquímicos e insumos. O dólar alto é bom para quem exporta suínos, mas Folador alerta que o ritmo das vendas externas não foi bom nos dois primeiros meses do ano, que registrou queda de quase 30% em termos volume e de 20% em faturamento. Assista à entrevista.

Adubos

A alta da moeda americana já impactou em preços de adubo mais altos em algumas regiões. O produtor de café conillon de Jaguaré (ES), Alexadre Bonadinam diz que o adubo em sua região subiu uma média de R$ 10 a R$ 12 por saco em relação ao mesmo período do ano passado. Embora o dólar tenha subido muito – o que foi acompanhado pelo preço do adubo – mas o preço do café caiu. Somando a alta da energia e do petróleo, o patamar de preço deveria estar em torno de R$ 330 a saca. Assista à entrevista.

Fonte: Canal Rural

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 26 de Junho de 2017
Domingo, 25 de Junho de 2017
15:50
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)