Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/07/2016 13:00

Cientistas identificam droga que pode bloquear passagem de zika para o feto

Saúde Plena

Um novo estudo feito por cientistas americanos mostra como o vírus zika passa da mulher grávida para feto. Os pesquisadores também identificaram uma droga que pode bloquear a entrada do vírus no organismo do feto em desenvolvimento.

De acordo com os autores, há duas vias para que o vírus chegue ao feto: pelas células da placenta, durante o primeiro trimestre de gravidez, e pelo saco amniótico - a membrana que envolve o bebê e o líquido amniótico -, durante o segundo trimestre.

Em um estudo feito em laboratório com tecidos humanos, os pesquisadores mostraram que um antigo antibiótico veterinário, chamado Duramycin, consegue bloquear a replicação do vírus em células que o transmitem nas duas vias de infecção.

O vírus zika é recente e foi inicialmente identificado em Uganda, em 1947, em macacos. Posteriormente, foi identificado em seres humanos, em 1952, em Uganda e na República Unida da Tanzânia. Surtos da doença são registrados na África, Américas, Ásia e no Pacífico.

A pesquisa foi realizada por cientistas da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF) e da Universidade de Califórnia em Berkeley (UCB) - ambas nos Estados Unidos - e publicada nesta segunda-feira, 18, na revista científica Cell Host & Microbe.

"Muito poucos vírus atingem o feto durante a gravidez e causam defeitos congênitos. Compreender como alguns vírus são capazes de fazer isso é uma questão muito relevante e pode ser a mais importante para pensarmos em maneiras de proteger o feto quando a mãe é infectada", disse uma das autoras da pesquisa, a virologista Lenore Pereira, da UCSF.

O Duramycin é um antibiótico produzido por bactérias para destruir outras bactérias. Seu uso é comum em animais e em testes clínicos para pessoas com fibrose cística. Estudos recentes têm mostrado, em experimentos de culturas de células, que ele também é eficaz contra flavivírus, como os vírus da zika, da dengue e da febre Oeste do Nilo, e contra filovírus, como o vírus Ebola.

"Nosso artigo mostra que o Duramycin bloqueia com eficiência a infecção de inúmeros tipos de células da placenta por linhagens do vírus zika isolados recentemente da epidemia que ocorre na América Latina, onde a infecção durante a gravidez tem sido associada à microcefalia e outros defeitos congênitos", disse outra das autoras, a infectologista Eva Harris, da Escola de Saúde Pública da UCB.

"Isso indica que o Duramycin ou drogas semelhantes podem reduzir com eficiência a transmissão do vírus da zika da mãe para o feto, por meio das duas rotas potenciais, impedindo os defeitos congênitos associados", disse Eva.

Segundo os autores do estudo, o vírus infecta diferentes tipos de células de dentro e de fora da placenta, incluindo as membranas fetais. Eles descobriram que as células epiteliais da membrana amniótica que envolve o feto são particularmente suscetíveis à infecção por zika.

"Isso sugere que essas células têm um papel considerável na mediação da transmissão para o feto e reforça a hipótese de que a transmissão poderia ocorrer por meio dessas membranas, independentemente da placenta, mesmo no meio e no fim da gestação", disse Lenore.

Segundo ela, os defeitos congênitos mais severos associados à infecção por zika - como a microcefalia - parecem ocorrer quando uma mulher é infectada no primeiro e no segundo trimestres. "Mas pode haver uma gama de outros defeitos congênitos menos graves, mas ainda assim sérios, quando uma mulher é infectada no fim da gravidez", disse.

O virus da zika também utiliza receptores que foram encontrados em várias células da placenta. No entanto, os cientistas encontraram só um, chamado TIM1, que é fortemente expresso em tipos de células da placenta durante a gestação.

O receptor TIM1 se liga à fosfatidiletanolamina (PE), uma membrana de lipídios presente na parte externa do vírus da zika e também nos vírus da dengue, da febre o oeste do Nilo e do Ebola. A molécula de Duramycin se liga ao PE no envelope do vírus e, ao fazer isso, impede que o vírus se conecte ao receptor TIM1 para entrar nas células.

Os cientistas descobriram que o Duramycin bloqueia a infecção de todos os tipos de células da placenta e da membrana fetal que foram testados. Além disso, a infecção foi substancialmente bloqueada com concentrações relativamente baixas da droga.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)