Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/06/2004 10:06

Cientistas defendem uso de células de embriões

Agência Senado

A utilização para finalidades terapêuticas de células tronco obtidas a partir de embriões congelados em clínicas de fertilização foi defendida por cientistas, nesta quarta-feira (2), durante audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Educação (CE), convocada para debater o projeto da nova Lei de Biossegurança.

Muitos desses embriões, recordaram expositores convidados, acabam esquecidos pelos pais, ou porque eles já tiveram os filhos que desejavam, ou porque decidiram adotar uma criança. Como não podem ficar congelados para sempre, acabam descartados pelas clínicas, em vez de abrir caminho para o tratamento de doenças genéticas como a degeneração de músculos de crianças.

- Será que a gente pode comparar a vida dessas crianças com um embrião congelado? Será que podemos negar às crianças a esperança de uma vida longa? Sou a favor de clonagem terapêutica, pois vi milhares de crianças e jovens morrerem e, pela primeira vez, vemos uma luz no fim do túnel - afirmou a diretora do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP), Mayana Zatz.

Segundo a exposição inicial do professor Marco Antônio Zago, diretor científico do Hemocentro da USP em Ribeirão Preto (SP), é necessário distinguir a extração de células tronco de adultos, que podem reparar alguns tipos de tecidos e a partir de embriões, que têm um poder muito maior de produção de qualquer tipo de tecido. Ele sugeriu como “agenda possível” o tratamento equivalente ao dos transplantes para a extração de células de adultos e a discussão do uso terapêutico de pré-embriões usados em clínicas de reprodução.

O médico Dráuzio Varela lembrou, durante a audiência, que, apesar da proibição do Conselho Federal de Medicina do descarte de embriões congelados, não há controle desta prática. Na sua opinião, a possibilidade de fazer com que células funcionem como “fábricas de tecidos” poderá representar para o século 21 uma revolução na medicina equivalente à descoberta dos antibióticos no século 20.

Os embriões congelados há mais de cinco anos nas clínicas de fertilização poderiam ser usados para a pesquisa, segundo sugestão apresentada pela professora Patrícia Pranke, da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “Sempre após o consentimento dos pais”, observou. Ela propôs ainda a proibição da manipulação genética de embriões, da clonagem reprodutiva humana, da produção e da comercialização de embriões.

Também presente na mesa, o médico e senador Tião Viana (PT-AC) observou que o assunto é polêmico em todo o mundo e deve ser tratado com todo o cuidado pelo Legislativo. Após manifestar a sua “convicção cristã”, ele disse que defende a utilização de embriões congelados para fins terapêuticos em algumas condições, apesar de recentes pesquisas alemãs indicarem a possibilidade de se obterem células tronco de adultos tão boas quanto as de um embrião. A seu ver, o Congresso poderia permitir o uso de embriões congelados há mais de três anos em “condições específicas”. Ele sugeriu ainda ao governo a criação de um Comitê Nacional de Ética e Pesquisa para as Ciências da Vida.

Posicionou-se contra a clonagem de células embrionárias para fins terapêuticos o filósofo André Marcelo Soares, professor de Bioética da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. A seu ver, a proposta tem “propósito claramente utilitarista e não percebe que a fecundação tem como fim o nascimento de um novo ser e não o de prover bancos de órgãos”. A presidente da CAS, senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), destacou a presença, na audiência, de quatro líderes partidários.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)