Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/02/2008 09:36

Chuvas: Bolívia já contabiliza 48 mortes

Agência Lusa*/ABr

La Paz (Bolívia) - Relatório divulgado ontem (4) pelo Ministério da Defesa informa que o número de mortos no país devido às chuvas causadas pelo fenômeno climático La Niña já é de 48. E que cerca de 33 mil famílias estão desalojadas. Quatro pessoas estão desaparecidas devido à subida do nível dos rios.

As chuvas começaram em novembro passado e afetaram os nove departamentos (estados) do país. Segundo o relatório, um terço das famílias afetadas está na região oriental de Santa Cruz, a mais extensa da Bolívia, e também em Cochabamba, na região central.


O vice-ministro da Defesa Civil, Hérnan Tuco, em declaração à agência de notícias espanhola Efe, disse que ainda não foram calculados os prejuízos econômicos provocados pelo fenômeno climático, mas que espera que não alcancem os níveis do ano passado, quando o fenômeno El Niño catástrofes no mais pobre país da América do Sul.


Entre janeiro e março de 2007, foram 56 mortos e 600 mil pessoas afetadas na Bolívia, e as perdas foram avaliadas em US$ 443,3 milhões, o equivalente a 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.


Segundo Tuco, o Conselho Nacional para a Redução de Riscos e Atenção a Desastres e Emergências (Conarade) definirá nesta semana se declara situação de “desastre nacional”, para conseguir ajuda econômica às famílias afetadas. Até ao momento já foram distribuídas 424 toneladas de alimentos e foi recebida ajuda internacional que incluiu brigadas de resgate com helicópteros provenientes do Brasil, Chile, Peru, Venezuela e Japão, entre outros países, além da cooperação dada pelas agências da Organização das Nações Unidas.

O Brasil foi um dos primeiros países a enviar ajuda à Bolívia, com pessoal, comida e material para salvamento e acampamento, além dos helicópteros.


No ano passado, a região amazônica de Beni foi a mais afetada, sobretudo a capital, Trinidad, onde nos próximos dias são esperadas novas cheias. Mas, ainda segundo Tuco, neste ano foram adotadas medidas de prevenção, como a retirada de 500 famílias que foram instaladas em acampamentos provisórios.



*Colaborou em Brasília Marco Antônio Soalheiro, repórter da Agência Brasil

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)