Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

05/02/2008 09:36

Chuvas: Bolívia já contabiliza 48 mortes

Agência Lusa*/ABr

La Paz (Bolívia) - Relatório divulgado ontem (4) pelo Ministério da Defesa informa que o número de mortos no país devido às chuvas causadas pelo fenômeno climático La Niña já é de 48. E que cerca de 33 mil famílias estão desalojadas. Quatro pessoas estão desaparecidas devido à subida do nível dos rios.

As chuvas começaram em novembro passado e afetaram os nove departamentos (estados) do país. Segundo o relatório, um terço das famílias afetadas está na região oriental de Santa Cruz, a mais extensa da Bolívia, e também em Cochabamba, na região central.


O vice-ministro da Defesa Civil, Hérnan Tuco, em declaração à agência de notícias espanhola Efe, disse que ainda não foram calculados os prejuízos econômicos provocados pelo fenômeno climático, mas que espera que não alcancem os níveis do ano passado, quando o fenômeno El Niño catástrofes no mais pobre país da América do Sul.


Entre janeiro e março de 2007, foram 56 mortos e 600 mil pessoas afetadas na Bolívia, e as perdas foram avaliadas em US$ 443,3 milhões, o equivalente a 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.


Segundo Tuco, o Conselho Nacional para a Redução de Riscos e Atenção a Desastres e Emergências (Conarade) definirá nesta semana se declara situação de “desastre nacional”, para conseguir ajuda econômica às famílias afetadas. Até ao momento já foram distribuídas 424 toneladas de alimentos e foi recebida ajuda internacional que incluiu brigadas de resgate com helicópteros provenientes do Brasil, Chile, Peru, Venezuela e Japão, entre outros países, além da cooperação dada pelas agências da Organização das Nações Unidas.

O Brasil foi um dos primeiros países a enviar ajuda à Bolívia, com pessoal, comida e material para salvamento e acampamento, além dos helicópteros.


No ano passado, a região amazônica de Beni foi a mais afetada, sobretudo a capital, Trinidad, onde nos próximos dias são esperadas novas cheias. Mas, ainda segundo Tuco, neste ano foram adotadas medidas de prevenção, como a retirada de 500 famílias que foram instaladas em acampamentos provisórios.



*Colaborou em Brasília Marco Antônio Soalheiro, repórter da Agência Brasil

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)