Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

22/01/2007 09:46

Chuva deixa Tacuru e Sete Quedas ilhadas por 60 dias

Fernanda Mathias/Campo Grande News

Desde o dia 21 de dezembro do ano passado os municípios de Tacuru e Sete Quedas estão ilhados do resto do Estado e só contam com acessos precários por conta da ação da chuva, que provocou interdições em dois trechos da MS-160 e derrubou várias pontes na região. A situação mais difícil é a de Sete Quedas, onde já começam a faltar gêneros alimentícios básicos, como sal e a açúcar, na prateleira dos supermercados. Com as dificuldades para transporte, os produtos também estão mais caros, segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico do município, Massao Hara.

“O ponto de maior preocupação é que as colheitas já iniciaram esta semana e temos previsão de em torno de 30 a 40 mil toneladas de grãos que precisamos escoar”, afirma. Isso, explica, porque a capacidade de armazenagem dentro do município é de apenas 1,8 mil toneladas. O fato de o governo ainda não ter se manifestado sobre o assunto, afirma o secretário, gera insegurança. “Já tivemos três reuniões marcadas e que foram adiadas”, conta. A alternativa à rodovia tem sido a estrada internacional.

O desvio que foi implantado, afirma o secretário, também oferece problemas por conta da ação das chuvas. “Ontem tinha caminhão atolado no desvio que fizeram entrando em Tacuru. Geralmente o primeiro ponto depois do desvio é a oficina mecânica”, conta. Diz, ainda, que recentemente caminhão da cooperativa de leite paranaense que faz coleta em Sete Quedas ficou atolado e acabou perdendo o produto. Por isso, ameaça não captar mais o leite do município caso a situação não seja resolvido, o que põe em risco a produção local.

Em Tacuru, o engenheiro da prefeitura Odilon Trindade Vanlençoela, ressalta que o escoamento da safra também é a grande preocupação. “Com a aftosa muita gente migrou para a agricultura e perdemos sete pontes o que compromete o escoamento”, diz. Segundo ele, a MS-160 está interditada em dois pontos, desde dezembro. Na ponte sobre o Rio Puitã e na galeria do Rio Tacuru. Segundo ele, são estimados investimentos necessários de R$ 6 milhões para resolver o problema. Só a prefeitura teria de aplicar R$ 1,5 milhão em recuperação de pontes e pavimento interno.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)