Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/09/2004 07:13

Choveram medalhas para o Brasil em Atenas

A delegação paraolímpica brasileira que está desde o dia 10 de setembro em solo grego deu um show na terra berço esportivo mundial. Somente em um dia, o Brasil bateu um recorde: conquistou quatro medalhas de ouro. Isso sem falar na de prata e na de bronze. Os números entram para a história do esporte paraolímpico brasileiro e junto com eles os resultados expressivos individuais dos atletas. Com certeza os fenômenos paraolímpicos atacaram. Com os resultados de hoje, o Brasil terminou o dia em 10º lugar no quadro geral de medalhas. Se continuar nesse ritmo, o País tem tudo para ficar entre as grandes potências paraolímpicas mundiais.



A tarde começou com a conquista do tricampeonato do judoca Antônio Tenório, 33 anos, no Hall Olímpico Ano Liossia, na categoria até 100kg. Na disputa da semifinal Tenório derrotou seu principal adversário o americano Kevin Szott, campeão mundial e paraolímpico. A final foi contra o chinês Run Ming Mens por waza ari. Como o adversário de Tenório insistia na falta de combatividade, os juízes marcaram três penalizações, chamadas de shidos. O chinês, medalha de bronze nos Jogos Paraolímpicos de Sydney, não representou nenhuma dificuldade para o brasileiro. Tenório ganhou o primeiro ouro do dia.



“Estou muito feliz com esta medalha. Agora eu tenho que começar a pensar em Pequim”, afirmou. O coordenador da modalidade, Walter Russo, destacou que o judoca veio com a mentalidade de um vencedor para Atenas. “O Tenório não é daqueles que têm um golpe só. Ele estuda cada passo durante a luta”, explica.



No atletismo, o primeiro a roubar a cena foi Antônio Delfino, que em Sydney ganhou a prata nos 400m. “Aqui deixei todo mundo para traz”, disse emocionado. O velocista ganhou a prova dos 200m com o tempo de 22s41. O francês Sebastien Barc chegou em segundo com 22s62 e o australiano Heath Francis ficou com o bronze. Com o ouro, Delfino se torna um dos atletas paraolímpicos mais velozes do mundo. Amanhã ele irá correr os 400m, prova em que é o atual recordista mundial e ainda irá correr os 100m. O velocista, que hoje mora na cidade de Brasília, dedicou o título para sua mulher e seus sete filhos.



Aos 18 anos, ele teve parte do braço direito cortado, após um acidente de trabalho no campo, onde era lavrador. Acostumado a uma infância difícil, Delfino começou a trabalhar aos cinco anos. Por esse motivo, o velocista tem experiência de sobra para lidar com problemas que surgem em sua vida. Para ganhar o ouro, ele se dedicou cinco horas de treinamento por dia e não se arrepende. “Treinei durante quatro anos para ganhar o ouro. Hoje minha vida é 80% dedicada para o esporte”, declarou o atleta.



O segundo ouro foi de um dos melhores amigos de Delfino, André Andrade. Por ironia do destino, André também foi prata em Sydney e hoje antes de correr, os dois combinaram que iriam ganhar o ouro. Funcionou. André terminou os 200m da categoria T13 (deficientes visuais) com o tempo de 22s70. O segundo lugar ficou com o americano Royal Mitchell (22s96) e o bronze foi para Nathan Meyer (23s04). “Ainda não caiu a ficha”, confessou.



O gaúcho, 23 anos, confessa que deixou uma vida que tinha em Porto Alegre para se dedicar exclusivamente ao atletismo. Ele foi para Presidente Prudente treinar com a equipe de revezamento olímpico. O resultado veio. O menino que tinha o sonho de ser um jogador de futebol confessa que valeu a pena ter desistido. “O ouro é a realização”, afirmou. O sonho de conquistar o ouro já foi realizado, mas agora André quer abaixar o tempo, abaixar, abaixar. “Sonho em correr uma Olimpíada”, completa. André ainda irá correr os 100m e o revezamento 4x100m.



A terceira medalha da tarde no atletismo foi conquistada pela cearense Maria José, a “Zezé. Ela terminou a prova dos 200m da categoria T12 (deficiente visual) com o tempo de 26s20. “Ganhei o bronze que me tiraram em Sydney. Essa medalha tem gosto de ouro. Em algum lugar está escrito que iria ganhar essa medalha e sei que em algum lugar também está escrito que irei ganhar o ouro” disse Zezé. A atleta dividiu a sua vitória com seu guia Gerson Knittel. “Ele é o melhor do mundo”, elogiou.



Na frente da Zezé ficaram a francesa Assia Hannouni (25s12) e biellorussia Volha Zinkevich (25s87). Aqui em Atenas a atleta ainda irá disputar as provas dos 100m e 400m.



Para fechar o dia do atletismo com chave de ouro, Ádria Santos, 30, tornou-se a primeira brasileira a ser tricampeã paraolímpica. Ela correu a prova dos 100m, na qual é a atual recordista mundial, e conquistou o último ouro do dia. O fenômeno paraolímpico terminou a prova com 12s55. Chocolate, seu guia, a elogia disse: “Você é a melhor do mundo”. A chinesa Chun Miao (12s94) ficou com a prata e a grega Paraskevi Kantza (13s34) levou o bronze.



A estrela dedicou a medalha para sua filha Bábara, 14 anos. A velocista ainda irá enfrentar as provas dos 200 e 400m. Muito bem acompanhada pelo seu guia, ela diz que ele é os seus olhos dentro da prova. Para finalizar, a atleta ressalta a importância da mídia nos Jogos Paraolímpicos. “Vocês estão demonstrando a capacidade dos atletas paraolímpicos”, declarou para os jornalistas.



Na natação a estreante Edênia Garcia, com apenas 17 anos, ganhou medalha de prata nos 50m costas, prova em que foi campeã mundial em Stoke Mandeville-2003. A adolescente já havia prometido no dia anterior que iria levar para Natal, cidade onde reside, uma vitória: “minha terra pode esperar que amanhã mostrarei resultados”. Promessa cumprida. A jovem que adora desenhar e curtir uma boa música foi confiante para a final e não deixou os natalenses na mão. Com a prata (51s51 – classe S4), a menina que possui distrofia muscular progressiva fez questão de apontar a real ganhadora da competição: dona Maria das Graças, sua mãe. “Estou de alma lavada e com a sensação de dever cumprido. Há quatro anos atrás, eu não imaginava que estaria em uma Paraolimpíada, quanto mais ganhar uma medalha nesta competição”, afirmou emocionada a nadadora. A japonesa Mayumi Narita ficou com o ouro (49s54), batendo o recorde paraolímpico, que era de 50s38. A medalha de bronze foi para a francesa Anne Cecile Lequien.



Judô: o Comitê Paraolímpico Brasileiro investiu na inclusão do judô paraolímpico. O grupo que está em Atenas é composto por sete atletas e a modalidade conquistou, em dois dias de competição, uma marca inédita: um ouro, duas pratas e um bronze. Pela primeira vez o judô feminino participa de uma edição dos Jogos e o Brasil já conseguiu trazer para a Grécia três judocas.



Evolução do atletismo parolímpico: Em Sydney, o Brasil foi representado por dez atletas e ganhou nove medalhas: quatro ouros, quatro pratas e um bronze. Agora, o número de atletas subiu em 70%. Somente hoje, aqui em Atenas, o atletismo brasileiro fechou o dia com quatro medalhas. E o que é melhor: três de ouro.



Natação: a modalidade é uma das que mais crescem no Brasil. Na última Paraolimpíada, o País levou 17 representantes. Desta vez, mesmo com o limite de vagas, 21 atletas estão brigando por medalhas em Atenas. Em Sydney, existiam 1200 vagas para os paÍses participarem na natação. Na Grécia, as vagas para todo o mundo contabilizam menos da metade: 580. Mesmo com a diminuição de vagas, o Brasil aumentou o número de nadadores e conquistou 21 vagas. Este aumento corresponde a 143%. A natação paraolímpica brasileira é a nona do ranking mundial e está lado a lado com grandes potências como Canadá e Alemanha, ambos com 21 vagas.



Para ver as fotos, acesse www.cpb.org.br







Assessoria de Comunicação do CPB

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)