Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/09/2013 06:48

Chefe das Farc decide desertar e leva grupo que comandava

Leandra Felipe, EBC
Chefe das Farc decide desertar e leva grupo que comandava

Tame (Colômbia) – Após viver 18 anos como guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Carlos Andrés Úsuga Puentes, 31 anos, Alías “Marlon”, decidiu desertar em julho deste ano. Ao sair do grupo, elaborou um plano e levou dez pessoas que estavam sob seu comando. Ele disse que resolveu fugir porque queria salvar a irmã – também guerrilheira, que estava grávida – de ter que fazer um aborto e porque estava desiludido.

“Eu entrei nas Farc com 13 anos, como quase todos os guerrilheiros. Era um menino. Mas, com o passar do tempo, vi que não tinha feito nada na vida. Não tinha conseguido ajudar minha família nem ganhar dinheiro. Eu vivia isolado no mato e não tinha feito nada de útil na vida”, contou à Agência Brasil.

Marlon participou de uma campanha do governo colombiano para incentivar a desmobilização de guerrilheiros, feita nessa quarta-feira (18). Ele conversou com adolescentes e jovens de Tame, capital do departamento de Arauca, na Planície Oriental do país.

Antes de falar à plateia, foi cumprimentado pelo ministro de Defesa, Juan Carlos Pinzón. “Que bom ver você aqui. Como vai o trabalho? Espero que tudo bem”, disse Pinzón. Marlon contou ainda que começou a pensar em sair aos 22 anos, quando começou a perceber que não tinha conseguido ajudar a família e nem ganhar dinheiro, como haviam prometido.

Segundo ele, nos primeiros anos do recrutamento o foco é a doutrinação. “As Farc dão aulas teóricas e treinamento para a guerra, tudo focado no coletivo e na revolução”, informou. Segundo ele, o tempo foi passando e também houve aumento da pressão militar. “Vivíamos com medo de ser mortos em combate ou em um bombardeio do Exército. Vi que tinha perdido mais do que ganhado nos anos que passei na guerrilha”.

Quando a irmã mais nova ficou grávida de seu companheiro (um soldado no grupo), Marlon teve mais vontade de sair. Embora fosse comandante médio de uma das frentes da guerrilha, nada podia ser feito para evitar um aborto da criança. “As regras são muito claras dentro do grupo. A gravidez é evitada com injeções, mas quando uma mulher fica grávida, em algum momento vão fazer um aborto. Só uma mulher que é sócia [parceira] de um comandante de frente tem o privilégio de ter a criança”, relatou.

Depois de ver vários abortos, inclusive de gestações avançadas, Marlon resolveu sair e levar os dez guerrilheiros, entre eles a irmã e outra jovem que também está grávida.

Ele disse que com o aumento da pressão do Exército, liderava um grupo pequeno, eram só os dez que fugiram e havia certo “abandono” nas vistorias que os chefes faziam em cada coluna ou acampamento. “Já havia três anos que não vinha ninguém fazer vistoria e estávamos a três horas de uma cidade”, lembrou.

Marlon começou a convencer os guerrilheiros que comandava a sair e procurou um amigo que vivia na cidade mais próxima. Por meio desse amigo, conseguiu contato com os agentes de desmobilização do Exército colombiano. E o grupo inteiro desertou.

“Nós saímos todos e minha irmã terá o bebê daqui a dois meses. Para mim, foi um alívio. Tive que sair da região e vivo longe. Mas já me reencontrei minha família. Estou trabalhando no campo, lugar de onde saí, mas quero estudar e pensar no futuro”.

Ele disse ainda que está vivendo uma fase de bastante reflexão e que acredita ter perdido muito tempo. “Lá dentro das Farc, a gente perde a capacidade de pensar sozinho. De ter os próprios sonhos. Agora, tenho que recuperar isso. Acho que perdi a etapa mais criativa da minha vida, a hora em que todo mundo sonha com o que vai ser. Tenho que recuperar isso, sem perder o ânimo”, acrescentou.

Edição: Graça Adjuto

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)