Cassilândia, Sexta-feira, 21 de Julho de 2017

Últimas Notícias

09/12/2004 07:56

Centrais sindicais defendem salário mínimo de R$ 320

Agência Câmara

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, considerou inaceitável que, em um governo de esquerda, não haja uma política de recuperação do salário mínimo. O sindicalista participou de audiência pública promovida pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público para discutir diretrizes para uma política sustentável de valorização do mínimo. Ele defendeu que o menor salário do País seja fixado em R$ 320 no próximo ano.
Marinho disse que mais importante do que definir o valor do mínimo no Orçamento, como quer o Governo, é ter uma política de recuperação de seu poder de compra. Para o sindicalista, também não interessa discutir se o Executivo vai dobrar ou não o valor do salário, conforme foi proposto pelo presidente Lula na campanha eleitoral. "Está no momento de implementar a recuperação prometida, até porque, agora que já passou metade do mandato, é hora de retribuir o pedido de paciência feito no primeiro ano de Governo. Se não fizer agora, vai fazer quando?", indagou, ao anunciar que a CUT vai realizar uma marcha pela recuperação do salário mínimo, em Brasília, no próximo dia 15.

Proposta das centrais
O presidente da CUT considerou uma "hipocrisia" e um "vício" discutir o salário mínimo só na última hora. Além de um valor maior do que o previsto na proposta orçamentária para 2005 (R$ 284,00), ele defende um projeto de recuperação do poder de compra do menor salário do País pelos próximos vinte anos, quando o seu valor atingiria o equivalente hoje a R$ 1,5 mil. Segundo Marinho, esse é salário mínimo ideal para uma família de quatro pessoas, conforme cálculo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).
O representante do Dieese na audiência pública, Iomar Ferreira da Silva; o presidente da Força Sindical e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah; e o deputado Alceu Collares (PDT-RS) também defenderam a recuperação do poder de compra do salário mínimo. A exemplo da CUT, Patah quer que o valor para o próximo ano seja fixado em R$ 320, enquanto Collares defende um mínimo entre R$ 300 e R$ 320.

Perdeu valor
Durante a audiência, o secretário municipal de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade de São Paulo, Márcio Pochmann, argumentou que o valor atual do mínimo representa apenas 30% daquele que estava em vigor em 1940, quando o piso salarial foi criado pelo então presidente Getúlio Vargas. De 1964 até hoje, segundo ele, a redução foi de 68,4%.
Já o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, pediu uma análise cautelosa de qualquer proposta de aumento do salário mínimo. Ele lembrou que a Lei de Responsabilidade Fiscal não permite que as cidades gastem mais de 54% do seu orçamento com o pagamento de salários. "O valor que for definido causará impacto nas prefeituras de todo o Brasil, principalmente no Nordeste, enquanto no Centro-Sul e no Centro-Oeste terá pouca influência, porque a maioria dos servidores já ganha mais do que o salário mínimo", acrescentou, ao sugerir a criação de um fundo de equalização para compensar o impacto de um aumento superior ao previsto no Orçamento.
O presidente da Comissão, deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS), lembrou que já está sendo analisada na Câmara uma proposta de criação desse fundo. Segundo ele, seriam necessários pelos menos R$ 300 milhões por ano para compensar as prefeituras que não podem arcar com grandes reajustes.

A Comissão de Trabalho apresentou, na semana passada, uma emenda ao Orçamento propondo um corte nas emendas parlamentares para elevar o mínimo a R$ 300.



Reportagem - Mauro Ceccherini
Edição - Nira Foster

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 21 de Julho de 2017
Quinta, 20 de Julho de 2017
10:07
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Quarta, 19 de Julho de 2017
20:32
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)