Cassilândia, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/12/2004 07:56

Centrais sindicais defendem salário mínimo de R$ 320

Agência Câmara

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, considerou inaceitável que, em um governo de esquerda, não haja uma política de recuperação do salário mínimo. O sindicalista participou de audiência pública promovida pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público para discutir diretrizes para uma política sustentável de valorização do mínimo. Ele defendeu que o menor salário do País seja fixado em R$ 320 no próximo ano.
Marinho disse que mais importante do que definir o valor do mínimo no Orçamento, como quer o Governo, é ter uma política de recuperação de seu poder de compra. Para o sindicalista, também não interessa discutir se o Executivo vai dobrar ou não o valor do salário, conforme foi proposto pelo presidente Lula na campanha eleitoral. "Está no momento de implementar a recuperação prometida, até porque, agora que já passou metade do mandato, é hora de retribuir o pedido de paciência feito no primeiro ano de Governo. Se não fizer agora, vai fazer quando?", indagou, ao anunciar que a CUT vai realizar uma marcha pela recuperação do salário mínimo, em Brasília, no próximo dia 15.

Proposta das centrais
O presidente da CUT considerou uma "hipocrisia" e um "vício" discutir o salário mínimo só na última hora. Além de um valor maior do que o previsto na proposta orçamentária para 2005 (R$ 284,00), ele defende um projeto de recuperação do poder de compra do menor salário do País pelos próximos vinte anos, quando o seu valor atingiria o equivalente hoje a R$ 1,5 mil. Segundo Marinho, esse é salário mínimo ideal para uma família de quatro pessoas, conforme cálculo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).
O representante do Dieese na audiência pública, Iomar Ferreira da Silva; o presidente da Força Sindical e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah; e o deputado Alceu Collares (PDT-RS) também defenderam a recuperação do poder de compra do salário mínimo. A exemplo da CUT, Patah quer que o valor para o próximo ano seja fixado em R$ 320, enquanto Collares defende um mínimo entre R$ 300 e R$ 320.

Perdeu valor
Durante a audiência, o secretário municipal de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade de São Paulo, Márcio Pochmann, argumentou que o valor atual do mínimo representa apenas 30% daquele que estava em vigor em 1940, quando o piso salarial foi criado pelo então presidente Getúlio Vargas. De 1964 até hoje, segundo ele, a redução foi de 68,4%.
Já o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, pediu uma análise cautelosa de qualquer proposta de aumento do salário mínimo. Ele lembrou que a Lei de Responsabilidade Fiscal não permite que as cidades gastem mais de 54% do seu orçamento com o pagamento de salários. "O valor que for definido causará impacto nas prefeituras de todo o Brasil, principalmente no Nordeste, enquanto no Centro-Sul e no Centro-Oeste terá pouca influência, porque a maioria dos servidores já ganha mais do que o salário mínimo", acrescentou, ao sugerir a criação de um fundo de equalização para compensar o impacto de um aumento superior ao previsto no Orçamento.
O presidente da Comissão, deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS), lembrou que já está sendo analisada na Câmara uma proposta de criação desse fundo. Segundo ele, seriam necessários pelos menos R$ 300 milhões por ano para compensar as prefeituras que não podem arcar com grandes reajustes.

A Comissão de Trabalho apresentou, na semana passada, uma emenda ao Orçamento propondo um corte nas emendas parlamentares para elevar o mínimo a R$ 300.



Reportagem - Mauro Ceccherini
Edição - Nira Foster

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)