Cassilândia, Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

26/09/2014 17:06

Cenário de morte no centro de Campo Grande atrai fiéis por 'milagres' de menina

Munyz Arakaki/ Midiamax
Cenário de morte no centro de Campo Grande atrai fiéis por 'milagres' de menina

A maioria de quem passa por uma pequena capela cheia de velas acesas, crucifixos, muletas e outros apetrechos religiosos, a uma quadra da antiga Rodoviária de Campo Grande, não imagina que o oratório marca o ponto onde foi cometido um dos crimes que mais chocaram a população campo-grandense.

Uma menina de 7 anos, Carminha, foi estuprada, morta e abandonada no local em meados dos anos 30. Um amigo dos pais da garota foi identificado como o estuprador e assassino. Ele a teria aliciado com balas e doces para cometer o estupro e a matar. O corpo foi encontrado já em adiantado estado de decomposição, exatamente onde atualmente fica a capelinha.

Como era costume na época, uma cruz foi fincada no local da morte e, pouco depois, ganhou um oratório que evoluiu com construções voluntárias até se tornar a pequena capela que existe até hoje, em homenagem à 'Santa Carminha'. A vítima, considerada 'santa' por fiéis católicos, não tem nenhum registro oficial da Igreja Católica.

Carminha era de uma família de imigrantes italianos e o crime revoltou a população da cidade. Os homens se juntaram, capturaram o suspeito e o lincharam. Depois de morto, ele ainda teve o corpo amarrado a cavalos e dilacerado com os animais sendo disparados para lados opostos.

Embora passados quase 80 anos de sua morte, a 'santa' campo-grandense continua atraindo fiéis que buscam graças e milagres. De acordo com o relato de historiadores, vizinhos e devotos.

A aposentada, Marta Yanaze, de 85 anos, se tornou devota da santa quando ela e o marido, naturais de Bauru (SP), se mudaram para Campo Grande há cerca de 40 anos. “Eu tinha umas dores no quadril e fiz promessa para a santa. Cumpri o prometido e as dores sumiram. Desde então agradeço todos os dias a ela”, lembra.

O vizinho da capelinha, João Antônio Teixeira, de 58 anos, disse que, frequentemente, os fiéis vêm ao local, onde o corpo da santa foi encontrado e, posteriormente, foi construída uma capela em sua homenagem. “Até hoje eles visitam aqui na frente, oram e pedem graças. Sempre vejo presentes, muletas e bengalas deixadas ali”.

Um dos casos mais notórios de devoção foi o da Dona Florência. De acordo com os vizinhos da capela, esta senhora fazia a limpeza do santuário, voluntariamente, pelo menos duas vezes por semana. A causa de tanta dedicação foi um milagre concedido pela santa.

“Eu sempre conversava com a Florência. Como ela caminhava normalmente, só anos depois fui saber que ela não andava quando era jovem, por portar paralisia nas pernas”, relata a vizinha Laura Cesco Vasconcelos. Os vizinhos da capela dizem que Dona Florência, em virtude da idade avançada, foi levada pelo filho para viver no interior do Estado.

De acordo com o historiador Edson Contar, que frequentava a região nos anos de 1950, a capela atraía muita gente. “Isso deve ter ocorrido entre 1935 e 1940. Quando eu passeava pela região era um tumulto porque estava fresco na memória das pessoas. É um fato que faz parte da história da Capital”, conta.

A história de Santa Carminha

Segundo o escritor Américo Calheiros, que narrou o caso policial no livro “Memória de Jornal”, Carminha era uma menina comum, com aproximadamente 7 anos de idade quando foi morta.

Com o perfil conservador da sociedade na época, o crime sexual causou comoção pública jamais vista em Campo Grande até então.

A história atraiu fiéis de vários lugares, pois muitos creram que a santa operava diversos milagres. Atualmente, mesmo se passando tantos anos, devotos continuam pedindo e agradecendo, deixando flores, bonecas e doces na capela.

A capelinha está localizada na Rua Joaquim Nabuco, entre as ruas Dom Aquino e Marechal Rondom, próximo da antiga Estação Rodoviária de Campo Grande.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Sexta, 17 de Fevereiro de 2017
20:33
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)