Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/12/2005 07:23

CE proposto prevê penas de até dez anos de prisão

Agência Senado

Para combater os crimes eleitorais, da tradicional oferta de alimentos gratuitos ao uso ilícito da informática e de dinheiro nas campanhas e eleições, o presidente do Senado, Renan Calheiros, considera que o Brasil precisa de penas mais severas, como as que são propostas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que foram apresentadas pelo senador na forma de projeto de lei (PLS 389/05): três a dez anos de prisão, cassação de mandato e perda dos direitos políticos.

Apesar das inúmeras atualizações que teve nos últimos 40 anos, o Código Eleitoral, promulgado em 1965, não previa crimes como a criação e o uso de programas de computador para destruir ou alterar dados da Justiça Eleitoral. Essa é uma ação criminosa para qual dispositivo do projeto prevê pena de até dez anos de prisão.

Na opinião do presidente do TSE, ministro Carlos Velloso, uma inovação importante é a fixação da pena mínima em três anos. Com isso, se evitará a prescrição do delito e o crime não ficará impune, explicou o ministro em entrevista.

É ampla a relação das atividades que, segundo a proposta, ferem ou expõem a perigo a regularidade do alistamento eleitoral, da propaganda, da campanha, da apuração dos votos e da administração da Justiça Eleitoral. Outra novidade do projeto é a tipificação do crime da pessoa jurídica.

Quando o crime for praticado por meio de partido político ou outra pessoa jurídica, essas entidades também serão punidas, além dos seus dirigentes, segundo o projeto. Pela legislação atual, a punição cai principalmente no individuo, como o tesoureiro de um partido.

A suspensão do diretório do partido político, por exemplo, é prevista na condenação por crime de ofensa à honra. Propaganda enganosa ou desautorizada também implica a mesma punição. Ao caracterizar os crimes praticados pelos meios de comunicação, além de jornais, revistas, rádio, televisão, cinema, o projeto também cita a internet como instrumento com o qual se pode ferir a regularidade do processo eleitoral.

Contas Paralelas
O capítulo do caixa dois, "Crimes Contra a Administração da Justiça Eleitoral", começa com a descrição de atividades rotineiras na alimentação dos escândalos políticos. "Manter ou movimentar recurso ou valor paralelamente à contabilidade exigida pela legislação para a escrituração contábil de partido político e relativa ao conhecimento da origem de suas receitas e à destinação de suas despesas" terá como pena a prisão de três a oito anos.

Outro artigo desse capítulo detalha práticas das quais muito se ouve falar nos últimos 25 anos da história do Brasil, depois que foi restaurada a liberdade de imprensa. "Receber, direta ou indiretamente, sob qualquer forma ou pretexto, recurso, contribuição ou auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro, inclusive através de publicidade de qualquer espécie, procedente de autoridade ou órgão público ou concessionária de serviço público para objetivos de campanha eleitoral". A pena para essa irregularidade é a prisão de dois a seis anos e multa.

Oito anos é a pena máxima para quem dá, oferece, solicita ou recebe, para si ou para outros, dinheiro, presentes ou qualquer outra vantagem para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita, conforme o projeto de lei. Essa é a pena também para quem destruir, suprimir ou ocultar urna contendo votos ou documentos relativos à eleição.

Todo cidadão que testemunhar ações dessa natureza e outras caracterizadas como crime nesse Código poderá comunicá-las ao Ministério Público ou ao juiz eleitoral da Zona Eleitoral onde o fato ocorrer. De acordo com a justificativa da proposição, outra inovação é que o projeto permite o julgamento antecipado de causa penal na hipótese de improcedência da acusação diante da resposta e documentos do denunciado.

O projeto tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Geraldo Sobreira / Repórter da Agência Senado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)