Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

06/09/2007 05:47

CCJ admite PEC que proíbe convocar suplente no recesso

Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara Federal admitiu nesta quarta-feira a Proposta de Emenda à Constituição 5/07, que proíbe a convocação de suplentes de deputados e de senadores durante o recesso parlamentar. A proposta prevê também que só haverá convocação se o afastamento do titular ocorrer quando faltarem mais de 120 dias para o término do mandato.

A PEC foi elaborada para evitar gastos excessivos à Câmara. No último recesso de uma legislatura, como ocorreu no final de 2006, há um período de um mês entre a posse do Executivo e do Legislativo. Muitos deputados da antiga legislatura assumem cargos no governo, como secretários estaduais ou ministros, e seus suplentes assumem o posto de deputado por poucos dias, gerando um custo adicional à Casa. Hoje, eles têm direito a receber salário (R$ 16.512,09), auxílio-moradia (R$ 3 mil), ajuda de custo de mais um salário para despesas ao assumir o cargo, verba indenizatória de R$ 15 mil, verba de gabinete para a contratatação de assessores, de R$ 50.815,62, passagens aéreas para seus estados (quatro de ida e volta), cota de telefone e de correios.

Relator era contra
O relatório do deputado Geraldo Pudim (PMDB-RJ), contrário à admissão da PEC, foi rejeitado pela CCJ. Ele alegava que a proposta era contrária a uma cláusula pétrea da Constituição, uma das razões para a rejeição de uma PEC na comissão. Segundo Pudim, o princípio da federação no estado brasileiro seria prejudicado, uma vez que, durante os recessos, principalmente no final do mandato parlamentar, um estado poderia ter representação muito reduzida.

O autor da proposta, deputado Flávio Dino (PCdoB-MA), argumentou que, embora essa possa ser uma conseqüência da proposta, o princípio da federação não é atingido. Dino citou que a própria Constituição já prevê o funcionamento da Câmara e do Senado sem o número máximo de deputados e senadores em casos de licença para tratamento de saúde por menos de 120 dias. "A PEC apenas estende os casos já previstos pela Constituição", concluiu.

Após rejeitar o relatório original, a comissão decidiu aprovar o voto em separado do deputado Regis de Oliveira (PSC-SP) como o relatório favorável à PEC.

Tramitação
A matéria passará à análise de uma comissão especial, antes de ser encaminhada ao Plenário.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)