Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

04/10/2011 06:44

Cassilândia: Servidores e ex-Prefeito são condenados por improbidade

A 1ª Turma Cível julgou parcialmente procedente a Apelação Cível nº 2009.021795-6 para declarar nula a sentença proferida pelo magistrado singular em razão da ausência de fundamentação na aplicação das sanções, porém, com fulcro no permissivo do §3º do artigo 515 do Código de Processo Civil, julgou diretamente o mérito, estabelecendo nova condenação ao ex-Prefeito de Cassilândia, ao ex-Secretário de Finanças e a outros dois funcionários da Prefeitura pela prática de atos de improbidade.

Joé Donizete Ferreira de Freitas (então prefeito de Cassilândia), José Benedito Dias, Younez Mahfouz e Waldimiro José Cotrin Moreira (então Secretário de Finanças) interpuseram recursos contra a sentença proferida na Comarca de Cassilândia que os condenou pela prática de improbidade administrativa em razão da participação deles em um esquema de desvio de dinheiro público do Departamento de Água do Município.

Segundo o Ministério Público, autor da ação, o esquema ilegal foi organizado pelo Secretário de Finanças com a anuência do Prefeito e consistiu na combinação com o funcionário José Benedito Dias. para que este último -realizasse a cobrança de contas de água em atraso e, por contrapartida, receberia 5% como comissão das contas que fossem recebidas. O funcionário Younez Mahfouz, por sua vez, sabia do plano e ficou inerte.

O ex-prefeito Donizete sustentou que na reunião que participou para tratar do assunto de contas de água em atraso não foi abordado nenhum assunto com relação ao pagamento de comissão ao corréu Dias, que houve a confissão dos três outros corréus de que seriam eles os únicos criadores e executores do esquema de desvio de dinheiro. Ele questionou também a pena aplicada a ele.

Dias. sustenta que não praticou ato de improbidade administrativa e questiona também que o juiz singular não individualizou a pena. Já Younez argumenta que as provas dos autos não demonstram efetivamente o esquema de desvio. O Secretário de Finanças sustentou que os pagamentos feitos foram desembolsados por ele mesmo e que não houve desvio de dinheiro público.

O relator do processo, Des. Sérgio Fernandes Martins, acolheu a preliminar de ausência de fundamentação da sentença arguida por José Benedito Dias., que questionava o fato de o juiz, embora ter reconhecido as diferentes participações dos acusados, ter aplicado as mesmas penalidades, sem individualização ou fundamentação.

O relator reconheceu que, “com exceção da perda dos direitos políticos, cujo período pode ser de 5 a 8 anos, o magistrado singular condenou todos os quatro requeridos às sanções máximas previstas no inciso II do artigo 12 da Lei n. 8.429/95, sem, no entanto, considerar os diferentes graus de participação de cada requerido, ou seja, sem individualizar a pena”.

Segundo o Des. Sérgio, o Secretário de Finanças teria organizado o esquema de desvio de dinheiro juntamente com Dias. O então Prefeito teria anuído com esse esquema e o servidor Younez teria ficado inerte e, portanto, concordado com o plano. Desse modo, concluiu o desembargador que a participação dos envolvidos não teve a mesma intensidade, de forma que as sanções devem ser aplicadas de acordo com a gravidade do ato praticado.

Por essa razão, os membros da 1ª Turma Cível, que acompanharam por unanimidade o relator, reconheceram a nulidade da sentença por ausência de fundamentação na aplicação das sanções, porém, invocando a chamada teoria da causa madura, embasada no § 3º do artigo 515 do CPC, analisaram diretamente o mérito da questão e, após reconhecerem que o conjunto probatório não deixa dúvida da prática de atos de improbidade administrativa, fixaram nova condenação a cada um dos requeridos.

Assim, o ex-Secretário de Finanças e José Benedito Dias., como beneficiário direto, foram condenados ao ressarcimento integral do dano; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos por 6 anos; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais, direta e indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos e pagamento de multa civil de duas vezes o valor do dano.

Ao então Prefeito foram aplicadas as mesmas sanções, no entanto a suspensão dos direitos políticos foi de 3 anos, como também a proibição de contratar com o poder público, e o pagamento da multa civil foi de uma vez o valor do dano. E, por último, ao funcionário Younez Mahfouz foi aplicada tão somente a sanção de perda da função pública.


Cabe recurso.

Com informações do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)