Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/06/2007 17:40

Cassilândia: o que Valdir está depondo no Fórum

Humberto Marques/Campo Grande News

O ex-secretário de Finanças de Cassilândia, Waldimiro José Cotrin Moreira, informou que seis vereadores do município também receberiam valores referentes ao esquema de desvio de recursos públicos da prefeitura que veio à tona durante a “Operação Judas”, deflagrada pelas polícias Civil e Militar e o Ministério Público Estadual. Dentre os beneficiários do Legislativo, estaria o prefeito em exercício do município, Baltazar Soares Silva – presidente da Câmara dos Vereadores cassilandense.

A acusação de Moreira foi feita na tarde desta segunda-feira (4 de junho), durante depoimento ao juiz Sílvio Prado, no Fórum de Cassilândia.Conforme o ex-secretário, também receberiam uma “mesada” de R$ 6 mil mensais os vereadores Romão Maiorchini (que responde interinamente pela Mesa Diretora da Casa de Leis), Juscelino Araújo, Ozélio Silva, Paulo Dalastra e Silvonei Veron. Além disso, a Câmara receberia R$ 20 mil por cada sessão extraordinária realizada – valor que, conforme Moreira, seria partilhado entre os nove parlamentares municipais. Os pagamentos seriam efetuados aos vereadores pelo ex-vereador e secretário de Turismo da cidade, Adenilson Camargo.

Os valores pagos aos vereadores seriam debitados também por meio de “vales”, que eram debitados no tesouro municipal. Conforme Cotrin Moreira, o esquema teria sido deflagrado no início de 2005, e acabou no começo de 2006. Em seu depoimento, ele não deu explicações técnicas sobre a forma com a qual eram efetuados os saques. Porém, rechaçou que se tratava de um esquema de “caixa dois”: conforme o ex-secretário, o sistema de recebimento de títulos e taxas da prefeitura sempre foi feito desta forma.

De encontro a esse argumento, o juiz Prado lembrou que os documentos utilizados como “vales” ainda tinham inscrições em Cr$ (cruzeiro), denotando sua antiguidade. Cotrin Moreira também adiantou que os vales encontrados em nome do Sindicato Rural de Cassilândia seriam, na verdade, créditos que o ex-secretário tinha com o município – ele seria proprietário de um posto de combustíveis, e teria, conforme sua defesa, R$ 400 mil em créditos com a prefeitura.

Moreira também deu explicações sobre os documentos referentes a saques que eram destinados a “Pintado”. Segundo ele, este seria o apelido de uma pessoa que realiza empréstimos a juro, cobrando taxas de 3,5% ao mês sobre os valores negociados. O ex-secretário salientou, ainda, que os vales eram utilizados para controle interno das despesas, para posterior apresentação de contas.

A movimentação financeira, conforme ele, era toda feita na tesouraria da prefeitura, que estava sob responsabilidade de Luceni Quintina Correia – uma das servidoras presas durante a “Operação Judas”, mas que ganhou a liberdade por colaborar com as investigações.

Já sobre as investigações sobre desvio de recursos no departamento de água e esgoto da cidade, Moreira destacou que os vales eram destinados às pessoas que efetuavam as cobranças atrasadas, que teriam direito a 5% do valor arrecadado. Ao ser ouvido pelo juiz, Moreira disse que chegaram a ser efetuados estudos para que instituições financeiras assumissem esse serviço. Contudo, diante da baixa demanda e dos valores das taxas, o serviço se tornaria mais caro, não sendo assim adotado.

Waldimiro Moreira foi o primeiro dos 13 indiciados que devem ser ouvidos na tarde desta segunda-feira pelo juiz Prado. Eugênio Luiz Azambuja, também preso durante a operação e liberado pelas autoridades por colaborar com as investigações, será ouvido por carta precatória, uma vez que reside em Inocência.

A “Operação Judas” identificou irregularidades no tesouro municipal, onde um grupo de funcionários se beneficiaria de saques irregulares na tesouraria do município. O esquema teria sido deflagrado para pagar dívidas de campanha do prefeito José Donizete Ferreira de Freitas (PT). O chefe do Executivo cassilandense chegou a ser afastado pela Justiça, a pedido do MPE. Na sexta-feira (1º), o desembargador Horácio Pithan acatou pedido da defesa do prefeito, reconduzindo-o ao cargo. (Com informações do repórter João Pamplona, da Rádio Patriarca de Cassilândia).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)