Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/02/2009 14:39

Cassilândia: nenhum humano foi contaminado com a raiva

Nenhum humano, no município de Cassilândia, foi contaminado com a raiva bovina. Duas pessoas, que tiveram contato com animal contaminado, foram encaminhadas para Paranaiba, mas já foram liberadas, segundo informação do veterinário do Iagro, Silvio Cézar Oliveira.

A doença reapareceu, depois de quinze anos, na região da Árvore Grande e novos casos chegaram a ser detectados até na divisa com Paranaiba. Todos os proprietários já foram notificados e estão vacinando os rebanhos, inclusive cavalos, cachorros e gatos.

O veterinário, que é Fiscal Estadual Agropecuário, alertou que a construção de barragens pode mudar o meio ambiente. As águas invadem as cavernas e os morcegos tendem a procurar outros lugares.

Sobre a informação de que o Ibama havia proibido o Iagro de dar combate aos morcegos dentro das cavernas, explicou que o diretor do Iagro já está em negociação com o Ibama para resolver o problema. Segundo ele, existe outras fórmulas, como armar rede nas entradas das cavernas para capturar os morcegos.


Fique por dentro


Para conhecimento de todos, abaixo, estamos republicando o matéria que explica o que é a raiva bovina, de autoria do AgroRede Notícias. O veterinário Silvio Cézar Oliveira leu, e recomendou a todos lque lessem.

A raiva é uma doença do sistema nervoso que também pode atacar animais herbívoros, como bovinos, caprinos, ovinos e eqüinos. No Brasil, foram registrados oficialmente 2,6 mil casos de raiva em herbívoros em 2006 e, apesar de a doença ser considerada endêmica no país - ou seja, com incidência em todas as regiões - 55% desses casos registrados ocorreram nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e Paraná.

A Coordenação da Raiva dos Herbívoros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) calcula que a doença provoca a morte de aproximadamente 25 mil cabeças bovinas por ano. Além de levar os animais à morte em aproximadamente dez dias, a contaminação com a raiva pode trazer prejuízos para produção de leite, de carne e de couro, e ainda atingir humanos que lidam diretamente com o rebanho. Ano passado, foram registrados nove casos de raiva humana, nos estados do Maranhão, Alagoas, Pernambuco, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Ao contrário do que é feito nos casos de raiva em animais de estimação, o tratamento da doença nos herbívoros não se restringe à vacinação periódica. "O transmissor é o morcego vampiro Desmodus rotundus, que se alimenta do sangue desses animais. Por isso, o controle da população do morcego é uma das principais formas de evitar a contaminação dos rebanhos", explica Carla da Silva Goulart, gerente do Programa Nacional de Controle da Raiva em Herbívoros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com Carla, notificar os casos de raiva às autoridades sanitárias é importante, pois, com base nessas informações, o Mapa pode direcionar as ações contra a doença. "Quando se sabe onde está a população dos morcegos, é possível realizar a captura e o controle destes animais, além de orientar a vacinação dos rebanhos na área próxima ao foco e informar os produtores sobre como prevenir novos casos da doença", esclarece.

É essencial que as ações tomadas por técnicos agropecuários sejam orientadas por veterinários capacitados. "Além do treinamento sobre o controle da população do Desmodus rotundus, é importante tomar precauções para evitar a transmissão da raiva para quem lida com os animais", explica Carla. "A melhor coisa a fazer diante da suspeita de um caso de raiva é avisar às autoridades veterinárias do estado".

Treinamento e medidas para evitar a doença

Desde 1966, o Ministério da Agricultura promove ações para prevenir e controlar a raiva nos herbívoros. Por meio do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), o Mapa coordena as ações de todos os órgãos estaduais de defesa sanitária animal, além de firmar parcerias estratégicas com órgãos internacionais de controle à raiva, como a Organização Panamericana de Saúde (OPAS).

Uma das ações realizadas em parceria com a OPAS foi a elaboração e distribuição em 2004 de revistas da Turma da Mônica com o tema "Abaixo a Raiva", com o objetivo de colaborar com ações de educação sanitária no controle da raiva em todo o Brasil. Em 2006, devido ao grande sucesso deste material, foram reimpressos um milhão de exemplares, distribuídos a todos os responsáveis pela execução do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, em todos os estados brasileiros.

No final do ano passado, outra parceria entre a OPAS e o Departamento de Saúde Animal do Mapa permitiu melhorar a capacitação de técnicos agropecuários para o controle da raiva. Por meio de um convênio, foram realizados treinamentos com técnicos agropecuários sobre captura e controle de morcegos Desmodus rotundus nas cidades de Guararema (SP) e Cáceres (MT). Ainda estão previstos treinamentos em Palmas (TO) e em Pesqueira (PE). A expectativa é capacitar, em 2007, 320 técnicos e formar 140 equipes exclusivas de captura e controle dessa espécie de morcegos.

Os estados que participam do treinamento podem receber um kit com todo material necessário à captura dos morcegos, caso solicitem os kits formalmente ao Mapa. Cada kit é composto por 76 itens, como equipamentos de proteção individual, rádios comunicadores, GPS, redes de captura de morcegos, pastas vampiricidas e outros materiais necessários para controlar a população dos animais transmissores.

Neste ano, o controle da raiva no mundo ganhou um reforço importante. O dia 8 de setembro foi escolhido como Dia Mundial da Raiva pela Aliança para o Controle da Raiva. O objetivo é conscientizar a população sobre o controle e a prevenção da raiva humana e mobilizar todas as instituições envolvidas nessa tarefa.

Sinais da raiva nos herbívoros

- Animal se isola do rebanho, não bebe e não come;

- Tem dificuldade para engolir;

- Parece estar engasgado e saliva muito (baba);

- Tem andar cambaleante e dificuldade de ficar em pé

- Na fase final da doença, o animal apresenta paralisia dos quartos posteriores, cai e não consegue mais se levantar;

Os herbívoros contaminados com a raiva podem transmitir a doença aos humanos. Por isso, todos os técnicos agropecuários e veterinários que lidam com rebanhos de herbívoros devem ser vacinados preventivamente contra a raiva.

Quando algum animal no rebanho apresentar esses sintomas, morrer sem causa definida ou for atacado por morcegos vampiros, é importante avisar à unidade local do serviço de defesa sanitária animal do seu estado. Os veterinários irão à propriedade, para avaliar o rebanho gratuitamente. Não se deve aproveitar a carne ou o leite dos animais que morreram com suspeita de raiva.

Transmissor

O morcego vampiro, ou Desmodus rotundus, alimenta-se de sangue e costuma atacar bois, cabras, ovelhas e cavalos na região da tábua do pescoço, lombo e garupa. O animal agredido apresenta um pequeno ferimento com uma marca de sangue escorrido.

O Desmodus rotundus abriga-se em cavernas, troncos de árvores, cisternas abandonadas. Não é aconselhável tentar matar os morcegos ou espantá-los. A melhor forma de controlar a população do Desmodus rotundus é com o auxílio de médicos veterinários, que são treinados para encontrar os locais onde os morcegos se abrigam. Também é possível usar pasta ou gel vampiricida no próprio rebanho, mas também com orientação de profissionais treinados.

Para saber mais sobre a raiva dos herbívoros

É possível obter mais informações sobre a raiva dos herbívoros por meio do e-mail pncrh@agricultura.gov.br ou pela Central de Relacionamento e Serviços do Mapa, pelo telefone 08007041995 (ligação gratuita).

O Manual Técnico de Controle da Raiva dos herbívoros está disponível em versão eletrônica no site do Ministério da Agricultura www.agricultura.gov.br.

A legislação federal que aprova as Normas Técnicas para o Controle da Raiva dos Herbívoros no Brasil é a Instrução Normativa Ministerial nº 5, de 1º de março de 2002.

Outras informações: Mapa - Tel: (61) 3218- 2203/2204, Fax: (61) 3322- 2880 ou no site www.agricultura.gov.br


Fonte: MAPA

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)