Cassilândia, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

10/03/2012 08:44

Cassilândia: condenados autores do assassinato de Elmis Carneiro

Paulo da Silva e Rogério da Silva foram novamente condenados ontem pela morte de Elmis Batista Carneiro. No primeiro julgamento foram condenados, mas o juri foi anulado. Veja a sentença proferida pela juiza Luciane Buriasco Isquerdo.

SENTENÇA
Após a votação dos quesitos, a MM.ª Juíza proferiu a seguinte sentença:
Vistos, etc. Em atendimento a decisão proferida pelo Egrégio Tribunal do Júri, CONDENO OS RÉUS Paulo da Silva e Rogério Carvalho da Silva, como incurso nas figuras delitivas e respectivas sanções do art. 121, § 2.º, I e IV, do Código Penal. Passo a aplicar a pena. 1. Do Réu Paulo da Silva: Atendendo-se às circunstâncias do art. 59,
do Código Penal, nada há de anormal a culpabilidade que já não tenha sido considerado. O acusado não possui antecedentes criminais, observando-se que as incidências descritas nos autos referem-se a outras pessoas. A conduta social e personalidade do agente não merecem qualquer aumento de pena. Os motivos do crime
são normais, nada havendo o que se acrescentar. Nada há que se registrar acerca das circunstâncias e conseqüências do crime, bem como acerca do comportamento da vítima. Por tais razões, fixo a pena base acima do mínimo legal, em 12 (doze) anos de reclusão. Como agravante há a outra qualificadora, reconhecida pelo Júri, já que uma qualificadora serve para iniciar a pena nos doze anos e a outra de agravante. Por tal agravante, aumento a pena em 1/6, ou seja, 02 anos. Em favor do réu milita a atenuante da confissão, razão pela qual diminuo a pena nos mesmos 02 anos. Não há causas de aumento ou diminuição. Torno, portanto, definitiva a pena por este crime em 12 (doze) anos de reclusão. Pela pena aplicada, não é possível a substituição da mesma (art. 44, CP). Também não há como se aplicar o sursis, ante a quantidade de pena. O regime inicial de pena deverá ser o fechado, por aplicação da regra do art. 33, § 2.º, “a”. 2. Do Réu Rogério Carvalho da Silva: Atendendo-se às circunstâncias do art. 59, do Código Penal, tenho como normal a culpabilidade do réu. O acusado não possui antecedentes criminais. A conduta social e personalidade do agente não merecem qualquer aumento de pena. Os motivos do crime são os normais, nada havendo o que se acrescentar. Nada há que se registrar acerca das circunstâncias e conseqüências do crime, bem como acerca do comportamento da vítima. Por tais razões, fixo a pena base no mínimo legal, em 12 (doze) anos de reclusão. Como agravante há a outra qualificadora, reconhecida pelo Júri, já que uma qualificadora serve para iniciar a pena nos doze anos e a outra de agravante. Por tal agravante, aumento a pena em 1/6, ou seja, 02 anos. Não há atenuantes. Não há causas de aumento ou diminuição. Torno, portanto, definitiva a pena por este crime em 14 (catorze) anos de reclusão. Pela pena aplicada, não é possível a substituição da mesma (art. 44, CP). Também não há como se aplicar o sursis, ante a quantidade de pena. O regime inicial de pena deverá ser o
fechado, por aplicação da regra do art. 33, § 2.º, “a”. Os réus deverão aguardar julgamento de eventual recurso preso, como responderam ao processo, considerando que ainda estão presentes os requisitos da prisão preventiva que mantiveram a prisão do mesmo na sentença de pronúncia, bem como pelo fato de terem os réus sido
condenado a cumprir pena em regime fechado, bem como pelo fato de terem se evadido. Registre-se. Em seguida, foi então determinado que os réus fossem conduzidos a esta sala do Tribunal do Júri, declarando-se reabertos os trabalhos, sendo também lida a sentença, diante do Plenário, das partes, do Ministério Público, dos Advogados dos
réus e dos demais presentes. Publicada, os presentes saíram intimados. Custas pelos réus. A defesa apresenta recurso de apelação, protestando pela juntada das razões no Tribunal de Justiça. A acusação apresenta recurso de apelação, no tocante à fixação da pena, requerendo vista dos autos para apresentar pelas suas razões. Nada mais.

Atuaram na acusação e defesa

Promotor de Justiça, Dr. Adriano Lobo Viana Resende
Advogados Ademir Antônio Cruvinel, Ricardo Trad e Murillo P. Cruvinel.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)