Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/07/2009 10:19

Cassilândia: Como nos velhos tempos

Dalmo Cúrcio
Dalmo CúrcioDalmo Cúrcio

Já não é mais tão comum ver a boiada viajando a pé como antigamente, quando o único meio de transporte era as longas viagens de boiadas cortando os sertões até o destino final. Contava tantas marchas e léguas, os percursos de cada viagem.

Mesmo assim, muitos pecuaristas ainda mantêm o velho estilo de transporte a pé de seus animais, como o exemplo de nossa reportagem, registrada no final de semana, na chegada do último pouso completando 18 dias de viagem destes animais, 747 garrotes.

Os garrotes saíram de Ribas do Rio Pardo com destino a uma fazenda na região da estrada sete placas da Celestina, pra frente da fazenda Pato Branco. Depois do longo trecho, a marcha chegava os animais próximo ao seu destino final.

Conversamos com o capataz e um dos peões, com o olhar e o rosto surrado pelo sol e a poeira das estradas. Vislumbramos ali, naquele momento, flagrantes da vida de peão, do cavaleiro calejado no lombo de um burro estradeiro. Com aquele fim de dia para eles era de satisfação por terem naquela expedição de transporte, uma viagem tranquila, sem nenhum imprevisto e perda de animais.

Ainda ao velho raciocínio dos pecuaristas conservadores, certas quantidades de gado, o transporte conduzido a pé é mais econômico. Mesmo que o cansaço e até a perda de animais em longas viagens e a exaustão dos peões, este costume tradicional ainda acontece nos dias de hoje.

Neste imaginário e na contemplação da natureza, presenciar aqueles momentos e ver ali um dever cumprido e ao ver o mestre e condutor da boiada recolher o último animal ao pouso daquela noite nos motivou a registrar este árduo trabalho da vida de um peão.
Mesmo que, para os flagrantes deste momento na vida dos peões, nos custou um viagem na estrada de areião naquela região do Indaiazão, aqui no município de Cassilândia encravar por duas vezes nos mochões de areia e avarias no veículo de nossa reportagem, carro baixo e a estrada em precárias condições e a falta de conservação nos levou a quebrar o veículo com impacto em pedras e nos buracos causando prejuízos de mais de R$ 4 mil.

Talvez a própria administração devesse planejar um projeto de levantamento e cascalhamento naquele longo trecho de estrada e a retirada do grande volume de areia que acumula na estrada, afinal a região da Celestina conhecida com estrada das setes placas é um importante trecho escoador da produção agropecuária de Cassilândia e do transporte escolar da região.























O Cassilândianews não se responsabiliza por matérias com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)