Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

21/06/2006 19:17

Cassada liminar que impedia desapropriação em MS

STJ

O ministro Francisco Peçanha Martins, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no exercício da presidência, suspendeu decisões da Justiça Federal no Mato Grosso do Sul que determinavam a retirada dos sem-terra que ocupavam a Fazenda Teijin, em Nova Andradina (MS). O ministro deferiu o pedido do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para suspender a liminar concedida pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP) que sustou o processo expropriatório e manteve a antiga proprietária na posse do imóvel.

Ao decidir, o ministro Peçanha Martins destacou que o Incra se encontra legitimamente investido na posse do imóvel por força de decisão proferida na ação expropriatória requerida por interesse social, declarada por decreto presidencial. Até que se promova a nulidade dos atos administrativos mediante instrução probatória, prosseguiu o ministro, nela deverá permanecer. A decisão torna sem efeito todas as determinações da Justiça Federal que se seguiram à liminar do TRF.

No caso, o Incra recorreu de decisão do TRF3 que, em agravo regimental em medida cautelar, concedeu liminar para sustar o processo expropriatório e a sua manutenção na posse da "Fazenda Teijin". Para isso, alegou, em resumo, que obteve a imissão na posse do imóvel em 19/7/2002, realizando-se a prova pericial nos idos de 2003, após o que requereu e obteve autorização para transferir cerca de mil famílias acampadas na rodovia próxima, para o imóvel, deferindo ainda o juiz da causa que o proprietário promovesse a retirada de móveis e semoventes no prazo de 15 dias, sucessivamente prorrogado.

Em 10/12/2004, a expropriada requereu ação declaratória de nulidade e ineficácia de atos administrativos, com pedido de antecipação de tutela. Contestada a ação, foi o processo extinto sem julgamento do mérito. Interposta apelação, recebida em ambos os efeitos, foram apresentadas contra-razões, pedindo o Incra a não-concessão da tutela antecipada e o desprovimento do recurso e manutenção da sentença.

Em 18/10/2005, a expropriada propôs perante o TRF3 uma medida cautelar pedindo a suspensão da ação de desapropriação até o julgamento da ação declaratória, que se encontra em grau de recurso. O pedido liminar foi indeferido e, inconformada, interpôs agravo regimental da decisão, tendo a Segunda Turma do TRF3 concedido a medida liminar para sustar o processo expropriatório e manter a antiga proprietária na posse do imóvel até apreciação do pedido de tutela antecipada formulada no recurso interposto na ação declaratória.

Segundo o vice-presidente do STJ, o Incra está legitimado a requerer a ação expropriatória e o fez, dando cumprimento ao decreto baixado do Poder Executivo declaratório do interesse social para fins de reforma agrária sobre o imóvel. Assim, prosseguiu o ministro, tudo se fez consoante a Constituição e as leis regulamentadoras da expropriação por interesse social.

"A pretensão de anular os atos administrativos e a obtenção de manutenção da posse mediante antecipação de tutela colide com a necessidade de discussão ampla da prova, na ação principal, não se coadunando com os princípios reguladores do instituto processual, exigentes de prova inequívoca e verossimilhança. À vista do exposto defiro o pedido de suspensão da liminar deferida pela egrégia Segunda Turma do TRF da 3ª Região, tornando sem efeito as decisões que se lhe seguiram", disse o ministro Peçanha Martins.

Matéria de autoria de Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)