Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/03/2004 09:04

Caso Galdino: STJ nega liminar a acusados

Regina Célia Amaral/STJ

O ministro Felix Fischer, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou liminar em habeas-corpus a Eron Chaves Oliveira e Tómas Oliveira de Almeida, presos no Núcleo de Custódia de Brasília pela morte do índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, em 20 de abril de 1997. A defesa pretendia a reversão de decisão da Justiça brasiliense que impediu os rapazes de freqüentar as aulas da faculdade.

Eron e Tómas tiveram deferido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios o benefício do estudo, previsto na Lei de Execuções Criminais e em Portaria da Vara das Execuções Criminais do Distrito Federal quando da análise de um recurso (embargos de declaração) interposto pela defesa. O Ministério Público, no entanto, se insurgiu contra a decisão, requerendo a renovação do julgamento. Entendeu que, diante dos efeitos modificativos dos embargos, seria imprescindível, em obediência ao princípio do contraditório (qualidade entre as partes, o que lhes oferece as mesmas oportunidades de apresentar provas e de contradizê-la), dar vista à parte contrária e isto não foi feito: julgaram-se os embargos de declaração sem a resposta do MP, que alegou ainda em preliminar a incompetência do TJ para apreciar a questão.

A Primeira Turma Criminal do TJ proveu os embargos de declaração por maioria, anulando a decisão, mas rejeitou a preliminar de incompetência. Para os advogados dos dois rapazes, da leitura dos embargos do MP se antevê que ali se pretendia a anulação do julgamento para depois restabelecê-lo tão-só pela irregularidade de não se ter aberto o contraditório. Dessa forma, o que existia era apenas uma irregularidade de ordem instrumental. A Primeira Turma, contudo, anulou o julgamento dos embargos de declaração que concederam o benefício em julgamento que extrapolou o pedido do MP, pois o benefício deveria ser restabelecido após a oitiva do MP, para só aí o mérito do pedido ser apreciado.

A defesa pretendia no STJ que o benefício fosse restabelecido, reformando a decisão do TJ. Até porque, acredita, o benefício do estudo é direito dos rapazes. "A própria Turma (do TJ) entendeu ser direito a autorização do estudo, tanto que o concedeu à unanimidade". Além disso, a cassação do beneficio foi efetivada e o estudo foi interrompido. Acrescentou que, enquanto estudaram (aproximadamente um ano), cumpriram fielmente as regras estabelecidas. Para a defesa, está configurado o perigo da demora uma vez que o ano letivo, para o qual estão matriculados, já se iniciou e eles não estão freqüentando as aulas. Isso causa sérios prejuízos na vida acadêmica e na execução de suas reprimendas, pela perda do convívio social e da remição pelo estudo, "conseqüências essas irretratáveis", entende.

O relator do caso no STJ, ministro Felix Fischer, indeferiu a liminar porque o processo não retrata hipótese que permita a sua concessão. Além do mais, pelos dados constantes, não há decisão conclusiva de que o habeas-corpus tenha sido denegado no TJ, razão pela qual a concessão pelo STJ configuraria supressão de instância. Fischer pediu informações atualizadas e pormenorizadas ao TJDF, após o que o caso será remetido ao Ministério Público Federal, para que seja emitido parecer. Somente após a retorno do processo com o parecer, o mérito será apreciado por ele e pelos demais integrantes da Quinta Turma.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)