Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/01/2012 11:53

Caso de raiva animal em São Paulo deixa donos de animais e veterinários em alerta

Agência Brasil

Brasília - A morte de um gato, em São Paulo, contaminado com o vírus da raiva deixa em alerta donos de animais e também especialistas. A médica veterinária Amélia Margarido, da Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal (Arca Brasil), disse à Agência Brasil que o ideal é vacinar os animais ao menos uma vez ano. Segundo ela, é fundamental também ter cuidado ao passear com os bichos devido à presença de morcegos – o principal transmissor do vírus.

“A vacinação anual contra a raiva em cachorros e gatos é o primeiro passo para evitar a doença. É preciso anotar a data para não se esquecer da revacinação anual”, destaca. “Caso encontre um morcego em situação vulnerável [significa parado, sem movimento], o ideal é não chegar perto e avisar o órgão [de vigilância sanitária] competente.”

Amélia Margarido recomendou ainda que os animais não fiquem soltos nas ruas, pois o risco de exposição às doenças aumenta, inclusive de contaminação do vírus da raiva. “Qualquer pessoa que tenha sido atacada por um animal, mesmo sem saber se [ele] está vacinado, deve procurar atendimento médico imediatamente para avaliação e tratamento.”

Há quatro meses, a servidora pública Maria Luzineide, de 48 anos, ganhou um gato e disse que faltaram explicações sobre como cuidar do animal. “Fiquei muito preocupada com o caso que ocorreu em São Paulo, desde que tenho o gato, não soube de campanha alguma. Agora com essa morte [do gato em São Paulo] vou levar meu gato ao veterinário. Faltam divulgação e atenção do Estado com a saúde dos animais.”

A também servidora pública Elida Mayara, de 30 anos, disse que está sempre atenta ao calendário de vacinação dos animais dela. “Tenho dois gatos e cuido muito bem deles. Para mim, a vacinação tem que estar sempre em dia. Faz dois meses que vacinei meus gatos, tive que desembolsar R$ 30 para vacinar os dois”, disse.

A comerciária Divina Correa, de 53 anos, disse que evita deixar sua cadelinha poodle, de 10 anos, solta na rua, mas admite que nunca a vacinou.“Gosto muito de cachorro, mas para ser sincera nunca vacinei minha cachorrinha. Um dos cuidados que tenho com ela é não deixá-la solta para diminuir a possibilidade de contrair doenças”, disse. “Acho que a vacinação feita em casa ajudaria muito. Fiquei assustada com esse caso e serviu como alerta para mim”, completou.

Edição: Talita Cavalcante

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)