Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/04/2008 08:37

Caso Calabresi: vítima confirma agressões

TJGO

“Eu rezava todos os dias, pedindo a Deus para me livrar daquilo”. Com essas palavras, a estudante Lucélia, de 12 anos, vítima de tortura, maus-tratos e cárcere privado relatou ontem (23) ao juiz José Carlos Duarte, da 7ª Vara Criminal de Goiânia, de que forma os crimes ocorreram. Estavam presentes na audiência a mãe dela, Joana D´Arc da Silva, acusada de tê-la entregue a terceiros em troca de dinheiro e a doméstica Vanice Maria Novaes. O Ministério Público (MP) arrolou 13 testemunhas e, após o depoimento da menina, o juiz pretendia ouvir pelo menos mais quatro pessoas ainda hoje.

A empresária Sílvia Calabresi Lima, que juntamente com Vanice responde pelos três principais crimes, não compareceu com autorização do juiz. Também estavam ausentes Marco Antônio Calabresi e Thiago Calabresi, acusados de omissão a tortura. Em juízo, Lucélia recontou todas as agressões e maus-tratos por que passou, lembrando-se eventualmente de algumas que ainda não haviam sido relatadas. Disse que passou a morar com Sílvia por vontade própria, tendo passado a sofrer agressões três meses depois, no dia em que quebrou uma porta de vidro do apartamento da família.

A partir de então, segundo recordou, os “castigos” passaram a ser frequentes, e cada vez mais terríveis. “Uma vez ela me deu uma surra com cinto de fivela e foi até o cinto se destruir. Depois me deu pancadas com rodo e umas 60 vassouradas”, relatou, informando que, na ocasião, ficou muito machucada e teve de ser levada ao médico sendo que, no caminho, Sílvia a instruiu a dizer que havia caído de uma escada, e ameaçou matá-la caso contasse a verdade. “Também menti para minha mãe”, afirmou, quando questionada se Joana D´Arc sabia do que se passava.

Para explicar o motivo pelo qual não contava o caso e não fugia do apartamento, Lucélia informou que Sílvia dizia que se ela “ao menos pensasse” em sair, seus irmãos seriam encontrados mortos na semana seguinte, e sua mãe também. Segundo a menina, tais agressões já existiam antes de Vanice passar a trabalhar na casa. Quando a doméstica foi contratada, Sílvia a incumbiu de vigiar Lucélia e relatar se ela estava cumprindo suas tarefas. “Muitas vezes ela ligava para casa e perguntava para a Vanice se eu estava de castigo”, disse a menina, garantindo que todas as atitudes da doméstica ocorriam a mando da empresária.

Por outro lado, segundo ela Vanice tinha o hábito de relatar tudo a Sílvia que, em seguida, como represália, colocava a menina de castigo. Como exemplo disso, Lucélia citou uma ocasião em que Silvia a proibira de se alimentar e, depois de muitas horas, já bastante faminta, pediu comida a Vanice, que então ligou para a patroa contando o fato a ela. “A Vanice fofocava tudo”, resumiu, dizendo que em seguida Silvia ordenava à doméstica que acorrentasse a menina.

Lucélia disse que já chegou a ficar quatro dias sem comer nada, ocasião em que ingeriu ração de cachorro para se nutrir. Confirmou que a empresária a obrigou a ingerir fezes e urina de cachorro por várias vezes, bem como a limpar a sacada do apartamento com a língua. “Ela fazia essas coisas várias vezes e quando fazia, era tudo de uma vez: uma alicatada na língua, vassourada na cabeça, comer fezes, ficar sem comida e depois ser acorrentada por horas”, lembrou-se, chorando.

A menina relatou que um dia contou tudo a Marco Antônio, que combinou de levá-la da casa na madrugada seguinte. Contudo, Sílvia descobriu o fato e impediu o marido, dizendo que gostava de Lucélia. Segundo a estudante, Marco Antônio teria dito a Silvia, nesta ocasião, que “não era possível que ela não soubesse que aquilo era um absurdo e dava cadeia”. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)