Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

18/04/2008 09:45

Caso Calabresi: negados pedidos e marcado depoimento

TJGO

O juiz José Carlos Duarte, da 7ª Vara Criminal de Goiânia, indeferiu hoje (17) os pedidos de realização de exame de insanidade mental formulados pela empresária Sílvia Calabresi Lima e pela doméstica Vanice Maria Novais. Ele entendeu que não há dúvidas “razoáveis” a respeito da saúde mental delas e já designou a próxima quarta-feira (23), às 13h30, para colher os depoimentos das testemunhas arroladas pela acusação no processo, dentre elas, o da menor Lucélia, que figura como vítima no processo.

José Carlos se recusou a determinar a remessa dos autos à Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), para receber manifestação sobre a possibilidade de suspensão condicional do processo em relação aos acusados Marco Antônio Calabresi Lima, Thiago Calabresi Lima e Joana D´Arc da Silva. A remessa dos autos à PGJ havia sido requerida pelos três porque Marco Antônio e Thiago são acusados de omissão a tortura, e Joana D`Arc, de entregar sua filha em troca de dinheiro, crimes para os quais se pode admitir a suspensão condicional do processo.

Contudo, o promotor que atua no caso, Cássio de Sousa Lima, recusou-se a propor o benefício sob alegação de que a Lei nº 9.099/95 não o admite quando forem consideradas reprováveis as condutas sociais e personalidades dos acusados, entre outros requisitos. Para o promotor, a aplicação do benefício é incabível no momento porque ainda não foi feito um “delineamento” do que considera desfavorável em relação a Marco Antônio, Thiago e Joana D´Arc.

Sob a mesma ótica, o magistrado observou que, até o momento, não é possível mensurar a motivação, as circunstâncias, a conduta social e a personalidade dos três. “Somente terá o julgador condições de aquilatá-las quando do lançamento da sentença final, com todas as provas carreadas aos autos. Antes, seria precipitado”, observou, lembrando que a suspensão condicional do processo pode ocorrer a qualquer tempo.

Sigilo telefônico

José Carlos Duarte também negou quebra do sigilo telefônico, fixo e celular, de Sílvia Calabresi, feito por Vanice, a doméstica havia sustentado, no pedido, que com a medida seria possível provar que era Sílvia quem ligava para casa questionando-a se havia cumprido suas ordens de castigo da menor L. que, segundo denúncia do Ministério Público (MP), foi vítima de tortura, maus-tratos e cárcere privado praticado pelas duas.

O juiz entendeu ser desnecessária a medida, uma vez que Sílvia admitiu que tanto recebia como fazia ligações para sua residência, quando estava ausente. Além disso, conforme ponderou o magistrado, é natural que houvesse trocas de telefonemas, da residência para o celular e vice-versa, já que Sílvia era a empregadora, sendo normal que fizesse as ligações até mesmo para que pudesse dar instruções a respeito de como deveria ser administrada sua casa na sua ausência. “O teor das conversas, a quebra do sigilo pretendido não irá revelar, devendo ser carreados aos autos outros meios de prova”, observou.

Finalmente, o juiz autorizou Sílvia a deixar de comparecer às audiências de inquirição das testemunhas arroladas na ação penal sob o entendimento de que a presença do réu nos atos processuais representa apenas mais uma garantia para sua própria defesa. “Se ela dispensa, o pedido deve ser deferido”, comentou. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)