Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

01/06/2007 07:16

Caso Avestruz: juiz manda juntar parecer do MP

TJ/GO

O juiz Carlos Magno Rocha da Silva, da 11ª Vara Cível de Goiânia, determinou a juntada, aos autos do processo falimentar da Avestruz Master Agro Comercial Importação e Exportação Ltda., de parecer do Ministério Público (MP) que opinou pela anulação da assembléia geral de credores realizada em duas etapas - dias 27 de janeiro e 3 de fevereiro últimos - sob a alegação de que, entre outras irregularidades, não foi alcançado o número mínimo de participantes exigido.

A promotoria sustenta, ainda, que o resultado da assembléia não deve ser homologado vez que é altamente prejudicial à massa falida e, conseqüentemente, aos credores. Segundo o MP, não há nenhuma garantia da viabilidade da continuação do negócio das falidas, nem comprovação de que isso trará benefícios para a massa e os credores. Se acolhido o parecer, será dado início à liquidação dos bens do grupo Avestruz Master.

Antes de apresentar suas fundamentações, o promotor Luiz Gonzaga Pereira da Cunha lembrou que vários credores - notadamente os trabalhistas - juntaram petição nos autos do processo, manifestando a dissidência de todos eles ao resultado da assembléia, que aprovou a criação de uma sociedade que daria seguimento aos negócios das falidas.

Em seus argumentos, o promotor começou atacando o que chamou de vícios e irregularidades na publicação e formalidades do edital de convocação da assembléia. Também segundo ele, na assembléia realizada em segunda chamada no dia 27 de janeiro, nenhum dos planos apresentados - inclusive a proposta de criação da sociedade de credores - foi aprovado, vez que, conforme registrado em ata, não se atingiu o número mínimo exigido em lei de créditos presentes, que é de dois terços do total. "Com isso, nenhuma razão teria deliberação para a suspensão da assembléia-geral para continuação em data futura pois, induvidosamente, medida desse condão viola a votação anterior. Assim, qualquer outra votação, como realmente ocorreu (em 3 de fevereiro), é nula de pleno direito", salientou.

Credores preferenciais

A questão dos credores dissidentes foi apontada na manifestação da promotoria como mais uma situação que sugere a necessidade da não-homologação do resultado da assembléia. O promotor lembrou que, com a criação da sociedade de credores, não há previsão de pagamento a eles, sobretudo aos trabalhistas - que, conforme frisou, têm prioridade.

"Os credores extraconcursais não estão obrigados a se sujeitarem à aprovação de um plano alternativo. São titulares de créditos a serem resgatados pela massa falida à frente de todos os demais. Por isso, dissidentes ou não, devem receber antes dessa deliberação", comentou, afirmando que não se pode permitir que o desfecho da massa falide seja no sentido de beneficiar uma parcela dos credores e prejudicar outra, ainda que reúna número menor de titulares de créditos, "mais ainda quando essa parcela prejudicada seria exatamente dos credores titulares de créditos preferenciais e/ou extraconcursais".

Liberdade do juiz

Para o promotor, mesmo que as regularidades apontadas não existissem, o juiz não estaria obrigado a homologar o resultado da assembléia, sobretudo considerando a possibilidade de se tratar da constituição de uma sociedade "sem qualquer demonstração de viabilidade econômica e com claras mostras de que teria o condão de beneficiar uns poucos credores em prejuízo dos demais". Na opinião de Luiz Gonzaga, se a massa falida não possui recursos para dar continuidade ao negócio, os credores também não terão, pois a maioria é formada de pessoas sem habilidade profissional para as atividades e "cercadas por uma variedade de anseios diversificados", entre os quais destaca-se o de simplesmente receber seus créditos.

Finalmente, asseverando que o juiz tem relativa liberdade para decidir sobre a questão e que a lei é flexível quanto a isso, o promotor pontuou: "Não podemos caminhar para uma solução que nada resolve, que não levará a nenhum resultado benéfico à coletividade dos credores, mais ainda num caso em que não se concluiu a arrecadação dos bens, não se completou a verificação dos créditos, tampouco foi elaborado o quadro-geral dos credores. O certo é que não nos parece ser o momento ideal para essa deliberação, quando sequer sabido quais bens foram regularmente arrecadados, inventariados e avaliados". (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)