Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/06/2007 06:28

Caso Asmego: juiz recebe denúncia e marca interrogatório

TJ/GO

O juiz-substituto Luís Flávio Cunha Navarro, em atuação na 9ª Vara Criminal de Goiânia, recebeu hoje (19) denúncia oferecida contra o gerente de serviços Rodrigo Prado de Oliveira, o bacharel em Direito Régis Prado de Oliveira e o gestor de agronegócios Marco Valério Caetano de Oliveira. Os dois primeiros foram acusados de furtar aproximadamente R$ 2,7 milhões da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) enquanto o terceiro, por receptação de veículos adquiridos com o dinheiro furtado da instituição. Luís Flávio designou o dia 25, às 16 horas, para o interrogatório dos três, que estão presos na 8ª Delegacia Distrital de Goiânia.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), Rodrigo ocupava o cargo de tesoureiro da Asmego e gozava de grande confiança da associação, possuindo as senhas das contas da administração e investimentos fornecidas pela diretoria, bem como o aparelho Token, que lhe permitia acessar e movimentar, com segurança, todas as contas pelo sistema via internet-bankline. Com isso, entre março de 2006 até maio deste ano, Rodrigo passou a fazer transferências ilícitas das contas da Asmego para contas-correntes de terceiros.

Para falsificar os extratos reais das contas sem chamar a atenção da diretoria da entidade, o tesoureiro acessava o site do banco onde as contas eram movimentadas, digitava a senha e visualizava o extrato da conta-corrente desejada. Em seguida, selecionava todo o extrato, copiando-o, e colava-o no programa Microsoft Word, apagando os registros nos quais apareciam as transferências ilícitas. Na seqüência, fazia a atualização do saldo, já com todas as alterações, e imprimia o extrato, enviando-o ao contador da instituição, José Rodrigues da Silva, para que fosse elaborado o balancete mensal que era enviado à diretoria.

Segundo a promotoria, no decorrer de mais de um ano, Rodrigo adquiriu, desta forma, um grande patrimônio consistente em bens móveis - como veículos de luxo e lanchas - e imóveis, como casas, flats e sobrados. Além disso, gastava grandes somas de dinheiro em casas noturnas na companhia de amigos. Para a família, alegava que tais aquisições - impossíveis para seu cargo, cujo salário líquido era de aproximadamente R$ 2 mil - eram provenientes de vantagens que recebia para fechar contratos licitatórios, vez que chefiava as concorrências públicas da Asmego, e também de propinas resultantes de vendas de sentenças. "Portanto, toda a família sabia que a origem do dinheiro, de qualquer forma, era criminosa", observou a promotora Elaine Barbosa da Silveira.

Parceiros

A participação de Régis no esquema ficou comprovada, segundo o MP, porque ele emprestou ao irmão sua conta-corrente pessoal, aberta em uma agência do Banco do Brasil, para viabilizar as transações ilícitas de Rodrigo. Para tanto, forneceu ao então tesoureiro da Asmego três talões de cheque assinados e em branco, além da senha de um cartão do banco e cópias de toda sua documentação pessoal.

Marco Valério, por sua vez, abriu no início deste ano uma loja de revenda de veículos usados denominada Center Auto e recebeu de Rodrigo cinco veículos, os quais colocou à venda: um Honda Prelude, um Ford/Escort XR3, uma Nissan Máxima, um Mercedes Benz e uma motoneta Peugeout. Para a promotoria, ele sabia da procedência ilícita dos veículos porque "a condição financeira que Rodrigo ostentava e o patrimônio amealhado eram incompatíveis com o salário que recebia na associação".

O desfalque somente foi descoberto porque Rodrigo passou a não mais esconder sua ascensão financeira e começou a estacionar, no pátio da Asmego, os veículos de luxo que adquiria com os furtos. No final de maio, José Rodrigues descobriu uma diferença de R$ 8 mil durante conferência dos extratos das contas da associação. Diante disso, compareceu ao Banco Itaú, onde as contas eram movimentadas, e ali confrontou os extratos bancários oficiais com os enviados por Rodrigo para a realização dos balancetes. Constatada a irregularidade, o contador comunicou o fato à diretoria, que proibiu imediatamente a entrada de Rodrigo na entidade e, após auditoria, levou os fatos ao conhecimento da polícia. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)