Cassilândia, Terça-feira, 09 de Março de 2021

Últimas Notícias

07/04/2017 16:00

Casa Civil defende MP de regularização fundiária; urbanista aponta risco

Agência Câmara

Representante da Casa Civil da Presidência da República, Erick Vidigal defendeu nesta quinta-feira (6), em audiência pública, a medida provisória sobre regularização fundiária rural e urbana (MP 759/16).

O texto trata desde o pagamento por lotes desapropriados para o Programa Nacional de Reforma Agrária até a Regularização Fundiária Urbana (Reurb), que abrange medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais e sociais.

Vidigal, que é subchefe adjunto de Assuntos Jurídicos do órgão, afirmou que mais de 50% de toda ocupação urbana no País tem algum tipo de irregularidade, segundo dados do Ministério das Cidades. “A ideia é você fazer o que deveria ter sido feito desde sempre: controlar a ocupação do território nacional”, disse. Ele citou ampliações de andares em imóveis na Rocinha, no Rio de Janeiro, previstos para terem apenas um piso, regulados só por "contratos de gaveta".

O texto, na avaliação de Vidigal, adota o princípio da eficiência no uso do solo, como já é feito na Europa. “A melhor forma de resolver problemas periféricos é por meio da organização. O que não se consegue controlar com a caneta do Estado tem de regular”, afirmou. Um exemplo, segundo ele, seria condomínios habitacionais criados em área de reserva com cerca de 100 mil moradores. “O mais eficiente é obrigar os ocupantes a fazer algum tipo de compensação ambiental e regularizar aquela ocupação.”

Inconstitucional
Já a presidente do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico, Daniela Libório, afirmou que a medida provisória é inconstitucional por tratar de assuntos distintos, como a regularização fundiária em área urbana e rural, e não ter urgência. “Essa MP vai contaminar todo o processo legislativo que derive dela, pois sua base é inconstitucional.” Para ela, o texto aumenta a competência dos chefes do Executivo, contrariando a Constituição.

Segundo Libório, a MP "aniquila" com programas de habitação de moradia social, como o Minha Casa, Minha Vida. “Ela cria um vazio institucional de políticas públicas a respeito de moradia social no País. Ou seja, ausência de políticas públicas com orçamento da União”, disse.

Entretanto, a diretora do Instituto Imobiliário do Brasil (IRIB), Naila Khuri defendeu a medida para buscar pacificação social e fim dos conflitos fundiários ao permitir a transmissão da propriedade. “A legitimação de posse, por si só, não estava sendo totalmente eficiente. Antes, somente quem teve a sorte de ter um contrato, em casa, conseguia transmitir a sua propriedade.”

Bairros de papel
O presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU), Haroldo de Queiroz, também criticou a medida. “Ao invés de criar bairros e cidades dignos com projetos urbanísticos para cada situação, a MP cria bairros e cidades de papel, definidos nas mesas dos cartórios.”

Para Queiroz, a medida "atropela" outras leis construídas coletivamente desde a Constituição de 1988, como a 6.766/79 (parcelamento do solo), a 11.977/09 (regularização fundiária) e a 10.257/01 (Estatuto da Cidade).

Na avaliação da diretora da Associação dos Notários e Registradores do Brasil,G-BR), Patricia Ferraz, a MP provoca uma quebra de paradigmas de regularização fundiária já consolidada. "Ainda que a passos lentos, esse sistema está caminhando bem a passos seguros." A MP deve gerar procedimentos burocráticos e sem segurança jurídica, segundo ela.

Votação
O presidente da comissão mista que analisa a matéria, deputado Izalci Lucas (PSDB-DF), afirmou que a votação da MP deve acontecer até 25 de abril. A expectativa, segundo Izalci, é que a norma possa ser votada pelos plenários da Câmara e do Senado em maio, para chegar à sanção presidencial em junho.

O deputado Afonso Florence (PT-BA) também afirmou que a amplitude de temas tratados no terxto pode basear um questionamento constitucional à MP. “Essa amplitude é controversa e implica uma complexidade muito grande que demanda abordagem detalhada e demorada”, disse. Para Florence, se o governo mantiver o compromisso de acatar sugestões técnicas, o texto vai melhorar muito.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

MPV-759/2016

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 08 de Março de 2021
Domingo, 07 de Março de 2021
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)