Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/12/2004 15:29

Carnes sofrem reajuste de até 72%

Acrissul

O consumidor foi atingido em cheio por reajustes nas carnes e outros produtos. Os primeiros sinais foram dados com a estiagem prolongada no inverno e agora se intensificam com as especulações do mercado com a chegada das festividades de final de ano. As geadas provocaram queima nas pastagens o que refletiu na baixa do rebanho, motivando a alta nos preços das carnes de um modo geral no mês de julho e agosto.

Agora, os empresários justificam os novos reajustes em razão do aumento nas exportações e ao velho fenômeno da oferta e procura, ou seja, a procura é maior que a demanda.

Segundo pesquisas realizadas pelo Caderno Consumidor da Gazeta do Paraná, a maioria das carnes bovinas, suínas é até de aves subiram em relação ao mês de outubro. Os cortes suínos foram os que mais apresentaram altas. A bisteca sem pele, por exemplo, foi a carne com maior reajuste dos 13 itens pesquisados, com 72% de aumento.

No início de outubro era possível comprá-la por R$ 4,60, hoje alguns supermercados vendem por R$ 7,89 o quilo. O leitão inteiro teve 58% de aumento no período pesquisado, assim como o pernil sem pele, também 58%, enquanto que o tradicional lombo comum das ceias de Natal teve alta de 55%.

Explicações

Segundo o supermercadista Daniel Pegoraro, com a diminuição na oferta no mercado nacional, além da grande procura, a alta torna-se normal. "Estamos comprando e pagando em média 10% mais caro pelos suínos, mas acredito que em janeiro o preço recue", diz.

Em relação à carne bovina o empresário analisa que, principalmente os cortes especiais, mais comuns durante as festividades, é que sofrem maior reajuste. "Os relacionados às festas tiveram alta em torno de 7 a 8%".

Porém as pesquisas revelam aumentos maiores como a picanha que registrou o maior aumento entre os cortes pesquisados, 34%; alcatra com osso 21%; alcatra sem osso 11%; contra-filé sem osso 11%; coxão mole 18%; posta vermelha 15% e traseiro com osso, 19%.

Pegoraro comenta ainda que os preços repassados ao consumidor final se dão também devido à mudança no sistema de ICMS. "Antes tínhamos um crédito maior que o débito, crédito de 12% e débito de 7%. Hoje temos um crédito que vai de 1% a 5% e o débito continua 7%. E isso conseqüentemente reflete no preço final", explica.

Para Marilene Arcanjo, dona de casa, os reajustes consecutivos são provenientes da época do ano e da política camuflada. "Quando dizem que não existe inflação é pura enganação, pois a prova maior está no supermercado, já não compramos mais nada com R$ 100, por exemplo. E no final do ano se aproveitam sabendo que vamos consumir", desabafa a dona de casa.

Outros aumentos

Nos últimos meses foi registrada alta em vários setores, começando pelo serviço de telefonia fixa, hortifrutigranjeiros, planos de saúde, gás de cozinha, diesel, álcool e gasolina que sofreram vários reajustes nos últimos meses e a expectativa da Petrobrás é de que os combustíveis ainda sofram mais um reajuste ainda este ano.

O tradicional peru e chester também chegam na mesa do consumidor com preços mais salgados, em média 10%, segundo Pegoraro. O frango também aumentou, entre as marcas pesquisadas as diferenças estão entre 33%, 21% e 14%.

Fonte: Gazeta do Paraná

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)