Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/01/2005 14:41

Carne: Pecuarista quer preços mais justos no mercado

Luthianna Hollenbach/ABr

As exportações brasileiras de carne bovina foram recorde no ano passado. O país embarcou para o exterior 1,854 milhão de toneladas do produto, com receita US$ 2,457 bilhões. em 2003, as vendas do segmento somaram 1,3 milhão de toneladas, com receita de US$ 1,51 bilhão. Para este ano, a expectativa é de que o país se mantenha como o principal exportador do mundo.

No ano passado, os principais destinos da carne brasileira in natura foram Rússia (US$ 239 milhões), Países Baixos (US$ 214 milhões) e Chile (US$ 199 milhões). No segmento carne industrializada, os principais compradores foram Estados Unidos (US$ 197 milhões), Reino Unidos (US$ 127 milhões) e Itália (US$ 22 milhões).

Para os produtores, no entanto, a concentração de frigoríficos e a conseqüente baixa do preço no mercado interno tem sido motivo de preocupação. "Não está havendo distribuição eqüitativa de renda entre todos os elos da cadeia e, se for preciso, vamos utilizar os elementos jurídicos necessários para corrigir essa distorção", disse o presidente do Fórum Nacional Permanente da Pecuária de Corte da Confederação da agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Antenor Nogueira.

Estudo da CNA e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), os custos operacionais totais da pecuária de corte subiram 10,1% em 2004, enquanto o preço pago pela arroba caiu 0,03%. A pesquisa apurou também que a suplementação mineral subiu 13,35% e a mão-de-obra ficou 21,2% mais cara. Com queda na rentabilidade, os produtores ampliaram o abate de matrizes, o que pode comprometer a capacidade de produção de carne bovina em médio prazo.

"Queremos que o lucro seja dividido entre todos os elos da cadeia igualmente, não pode um setor ganhar muito mais que o outro. Se nós precisamos da indústria frigorífica, eles precisam de nós também".

Segundo Nogeuria, o setor pediu uma reunião com o setor industrial e, se não houver uma conversa adequada e que tenha um norteamento para que em 2005 não ocorra isso mais, serão tomadas medidas jurídicas. "Iremos denunciar onde for preciso para que possamos ter em 2005 uma distribuição eqüitativa desses lucros", afirmou Nogueira.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)